Conecte-se conosco

Cultura

Du Flausino abre a exposição “…no silêncio das flores”, primeira individual no Centro Cultural Correios RJ

Publicado

em

Du Flausino abre a exposição “…no silêncio das flores”, primeira individual no Rio de Janeiro, com 40 trabalhos de diferentes mídias sobre a simbologia das flores na cultura contemporânea.
A mostra, que acontece no Centro Cultural Correios RJ,  traz uma reflexão sobre o vazio existencial e utiliza as flores como metáfora para investigar as relações afetivas , com curadoria e produção cultural de Cota Azevedo

artista plástica mineira Du Flausino abre a exposição individual  “…no silêncio das flores” , no Centro Cultural Correios RJ, com curadoria e produção cultural de Cota Azevedo, onde apresenta cerca de 40 trabalhos de diferentes mídias – pinturas (óleo e acrílica), fotografias, bordados, vídeo-performance e trabalhos instalativos, distribuídos em duas salas, entre os dias 26 de maio e 9 de julho de 2022, trazendo, como temática central, a simbologia das flores na cultura contemporânea, como ícones, usados como metáforas que preenchem as lacunas deixadas pelo tempo, pela distância, pelas perdas, pelas relações afetivas. 

As obras apresentadas nesta exposição trazem, em suas poéticas, dualidades como morte e vida, exageros e delicadezas. São trabalhos que revelam os antagonismos das linguagens do humano nas relações, nos valores e nas atitudes em seu cotidiano. As flores são metáforas encontradas por Du Flausino para debater as conexões afetivas em seu tempo. “O que as flores dizem a respeito de nós? Por que estamos sempre recorrendo às flores para decorar e perfumar nosso dia a dia? Faço uma reflexão sobre as delicadezas que existem em torno da utilização deste símbolo no cotidiano, como elas nos proporcionam sentido a um estado psíquico”, explica Du Flausino. 
 
 
 A exposição “…no silêncio das flores” reflete sobre o humano e as suas questões, na relação com o meio, na sua representação social, seus desejos, afetos e sentimentos. Em muitas situações, a flor tem o papel de dar significância às existências, a citar: a casa decorada com flores para que ela se torne agradável e aconchegante; flores oferecidas como presente para declarar amor e amizade, aos que nascem como boas vindas, aos que morrem como despedida.

 

Desde 2010, Du Flausino, expõem trabalhos com o foco na poética floral, e apresenta, agora, a sua primeira individual no Rio de Janeiro, do conjunto dos seus  estudos e práticas, em séries. Em “Flores de plástico”, o olhar cria um viés que projeta perdas e objetifica sentimentos. Em a “Casa de Fernanda”, as relações afetivas perpassam pelas vivências e valores. A casa é como a possibilidade de encontros e afetos transcritos pelas imagens e flores.
 
 
Sobre a exposição
 
. “Flores de plástico desbotam” (série de pinturas e vídeo performance) – a flor artificial faz alusão às perdas, à vaidade e à morte.
. “Casa de Fernanda” (bordado e fotografias) – local de encontros, afetos, amor, sonhos, miudezas e delicadezas.
. “Sobre o gelo” (fotografia) – imagens de locais públicos (in)ocupados.
. “Sudário” (bordado e trabalhos instalativos) – quando se preenche a vida com o kitsch.
 
 
Sobre Du Flausino
 
Du Flausino nasceu na cidade de Dom Cavati, Minas Gerais, e reside atualmente em Belo Horizonte. Artista plástica, bacharelada em pintura e fotografia, pela Escola Guignard, MG, atua também como professora de pintura e arteterapeuta. Em seu currículo consta a exposição individual “#floresdeplasticodesbotam”, Galeria da Assembleia Cultural do Estado de Minas Gerais, via edital, em 2019. Fotografias da série “A pele que habito”, Galeria ‘Estação das Artes’ do Museu Cabo Branco de João Pessoa, Paraíba, em 2019. Participou de várias coletivas pelo Brasil. A artista utiliza várias técnicas em seus trabalhos, como pintura sobre tela, costura em tecidos, fotografia, performances, instalação e vídeo. Sua linguagem permeia a estética da arte barroca, com suas dualidades – morte/vida, brutalidade/delicadeza, pureza/sedução, originalidade/imitação, entre outros.
 
 
Trecho do texto curatorial  ‘O Antropomorfismo da natureza-morta’, de Cota Azevedo
 
“As inscrições de uma pessoa no mundo sempre se valem de mitologias individuais que navegam por territórios da imagem e da palavra. E o artista parece carregar para si a tarefa de evocar estas percepções humanas, particulares e coletivas, das encenações da vida, das alegrias e das dores, como um modo de atravessamento simbólico do existir. Na exposição “No silêncio das flores”, há uma enunciação, ainda no ‘tempo’ contemporâneo, à temática natureza-morta -, por denominação se trataria das representações de objetos estáticos como flores, fruto e utensílios comuns do cotidiano, nas obras artísticas. Para além desta terminologia exata, a mineira Du Flausino aponta para o deslocamento das significâncias concretas dos motivos florais a um outro lugar, o do antropomorfismo, que atribui para as formas e/ou aos seres irracionais, as condições humanas.” 
 
(‘O antropomorfismo da natureza-morta’, de Cota Azevedo, curadora, jornalista crítica e artista multidisciplinar).
 
Sobre Cota Azevedo
 
Cota Azevedo é curadora independente, jornalista crítica e artista multidisciplinar. Com formação de pós-graduação em Curadoria, Museologia e Gestão de produção; e em  História da Arte; pela Universidade Estácio de Sá; além de pós em Psicanálise e a Psicologia; pela Faculdade Metropolitana. Entre os anos de 2021 e 2022 atuou com cerca de dez curadorias, idivididuais e coletivas. Como Comunicadora, Cota se formou em Jornalismo, no ano de 2009, no Centro Universitário Newton Paiva e desde então produzir textos críticos para difentes mídias.  No que tange a sua produção artística cita-se as suas duas exposições individuais.Em 2021 -2022,  “O avesso e a lenda dos dias”, exibidas em São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).;  Em 2020 – 2021, “Sopros’ expostas também no Centro Cultural dos Correios do Rio de Janeiro, com divulgações em grandes veículos especializados como Veja, Diário Carioca, ArtRio, Revista das Artes e dentre outros.
 
 
Serviço
 
Exposição: “… no silêncio das flores”
Artista: Du Flausino
Instagram: @du.flausino
Curadoria e produção cultural: Cota Azevedo
Instagram: @cotaazevedo
Local: Centro Cultural Correios RJ
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – RJ
Abertura: 26 de maio de 2022 às 16h
Visitação: 27 de maio a 09 de julho de 2022
Dias e horários: de terça a sábado, das 12h às 19h
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem @_paula_r_soares
Entrada franca
Censura livre
Acessibilidade

Continuar Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cultura

Atividades para acalmar crianças autistas – por Psicopedagoga Luciana Brites

Publicado

em

 

Lidar com as emoções nem sempre é fácil. Para as crianças pode ser ainda mais complicado. Já quando estas são autistas, torna-se um grande desafio. Além disso, elas podem ter dificuldade em reconhecer suas emoções e vinculá-las aos eventos que as causaram.

Muitas crianças com autismo possuem dificuldade em organizar, interpretar e responder apropriadamente às informações sensoriais. Assim, eles têm sistemas sensoriais que reagem de forma exagerada ou insuficiente. Com isso, podem reagir de maneira inesperada a sons, toque e textura.

Pessoas com autismo podem sofrer com uma sobrecarga sensorial. Ela descreve a experiência que uma criança com autismo pode sentir quando recebe muitos estímulos ao mesmo tempo, mais do que pode processar. Assim, seu cérebro fica sobrecarregado. A sobrecarga sensorial pode fazer com que se tenha um colapso.

Alguns sinais para reconhecer uma sobrecarga sensorial são: mãos nos olhos ou nos ouvidos, com o objetivo de se esquivar do estímulo, aumento dos comportamentos repetitivos, fuga, andar de um lado para o outro, falar consigo mesmo ou bater as mãos, cutucar a pele ou se beliscar e esbarrar em móveis ou buscar um espaço pequeno para se “esconder”.

Muitas vezes esses comportamentos são tentativas para se acalmar ou sinais de ansiedade. Por isso, é de fundamental importância que os pais, professores e cuidadores saibam como acalmar crianças com autismo.

A distração é uma forma de acalmar o autista. Ensinamos técnicas para se distraírem e se esquecerem do que está incomodando. Para isso, dê preferência a coisas que são do interesse dele. Outra dica é criar rotina. As rotinas trazem uma sensação de calma e familiaridade para os autistas.

Mais uma forma de acalmar é usando cobertores pesados. Este é um método de tratamento de pressão. Eles ajudam no processo de acalmá-las, oferecendo segurança e fornecendo as sensações que seus corpos precisam. A próxima dica é mudar o ambiente. Se for possível, retire a criança do ambiente e leve-a para um lugar tranquilo, assim ela irá se acalmar.

*Psicopedagoga Luciana Brites

Outra tecnica é soprar bolinhas de sabão, pois estimula a respiração consciente. Esse método é fundamental para acalmar a criança. Mas, pode ser difícil de ensinar. Por isso, fazer bolinhas de sabão é uma ótima maneira de fazê-las respirar profundamente.

Brincar com massinhas de modelar aciona os estímulos sensoriais da criança. Elas criam uma distração rápida e podem ser muito eficientes no processo de acalmar crianças com autismo. Lembre-se que cada criança é única! Por isso, é importante conhecê-la para saber quais técnicas funcionam melhor.

(*) CEO do Instituto NeuroSaber (www.neurosaber.com.br), Luciana Brites é autora de livros sobre educação e transtornos de aprendizagem, palestrante, especialista em Educação Especial na área de Deficiência Mental e Psicopedagogia Clínica e Institucional pela UniFil Londrina e em Psicomotricidade pelo Instituto Superior de Educação ISPE-GAE São Paulo, além de ser Mestra e Doutoranda em Distúrbios do Desenvolvimento pelo Mackenzie.

Continuar Lendo

Cultura

Escritor Domingos Sávio Zainaghi lança obra na Bienal do Livro em São Paulo

Publicado

em

Vale a pena Ser gentil?”, obra do advogado Domingos Sávio Zainaghi, será lançada na 26º Bienal Internacional do Livro de São Paulo. O encontro com o autor e a sessão de autógrafos acontece dia 03/07 (domingo), a partir das 16h às 17h, no estande da Literare Books International (M-111, Rua M, ao lado da Arena Cultural). Cancelada em 2020 por causa da pandemia, a Bienal voltará a ser realizada de modo presencial neste ano de 2 a 10 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

A obra “Vale a pena Ser gentil?, que traz relevantes reflexões sobre o impacto da gentileza na vida pessoal e no trabalho, ganha uma terceira edição, revista e atualizada com dois novos capítulos, pela Literare Books.

Mais do que exemplificar os benefícios, físicos e mentais, trazidos pelo ato da gentileza, o livro de Domingos Sávio mostra, por meio de alguns relatos de situações reais, como colocar em prática nos diferentes cenários do dia a dia e explicita o ganho em qualidade de vida que ela nos traz. Apesar de tratar de um conceito subjetivo e abstrato, o autor exemplifica como a adoção da gentileza no dia a dia frequentemente é retribuída, mesmo que não seja esse o seu objetivo.

Domingos Sávio Zainaghi
Divulgação – Literare Books International

Descubra o que é a gentileza quântica, como ser gentil em momentos de tensão, como ser gentil com familiares, com adversários, com colegas de trabalho e também com você. A obra foi escrita em linguagem simples e direta, mas, sobretudo com palavras que vêm do coração e repletas de carinho.

Anote na agenda:
Quando: 03 de julho
Horário: das 16h às 17h
Local: Estande da Literare Books (M-111) – Bienal do Livro de São Paulo, no Expo Center Norte.
Mais informações: Literare Books

Continuar Lendo

Cultura

Livro de Stacey Abrams ganha versão exclusiva em audiobook com narração da atriz Jeniffer Nascimento

Publicado

em

Publicado pela Editora Nacional, Você pode fazer a diferença traz relatos inspiradores da autora preta que teve uma infância pobre e hoje é um dos nomes em ascensão na política norte-americana

A luta na infância e juventude de Stacey Abrams faz dela ser hoje um dos principais nomes em ascensão na política norte-americana e uma das autoras mais buscadas do gênero de desenvolvimento pessoal. No livro Você pode fazer a diferença, traduzido e publicado pela Editora Nacional, ela traz relatos importantes de uma realidade muito comum de pessoas pretas e pobres que precisam superar inúmeras adversidades ao longo da vida. A obra, que na versão brasileira tem o prefácio da jornalista Maju Coutinho, ganha agora uma versão inédita em audiolivro com a voz da atriz e cantora Jeniffer Nascimento. A novidade é resultado da parceria entre a editora e o Skeelo, aplicativo de ebooks e audiobooks.

Mais do que falar sobre sua trajetória, Stacey inspira ao contar um dos segredos que a faz sempre estar pronta para os desafios. Segunda ela, a tríade do sucesso se baseia em fé, estudo e família. Unindo esses pontos, é possível superar barreiras e construir um futuro melhor para si e para os outros. E é justamente por ter trajetórias tão semelhantes que Jeniffer recebeu e aceitou o convite de dar voz a uma das autobiografias mais importantes dos últimos tempos. “É a primeira vez que narro um livro e há muitos detalhes na história da Stacey que se conectam comigo, com o que vivi. A alegria é imensa de poder fazer parte desse projeto”, conta ela.

Stacey tem sido vista com uma personalidade transformadora e motivadora e é isso que está fazendo com que ela rompa barreiras e esteja, por meio de suas obras, alcançando cada vez mais pessoas. “Prática e com uma linguagem democrática, o livro dela mostra como a indignação e o inconformismo podem e devem ser usados como força motriz para gerar mudanças. A Nacional trouxe a obra para o Brasil porque acredita em pessoas inspiradoras como ela e nas transformações que fazem nossa sociedade melhor. Tanto o livro quanto o audiolivro são condutores dessas ideias e conhecimentos que geram valores e motivam pessoas.” explica Luiza Del Monaco, gerente editorial da Nacional.

De acordo com Thereza Castro, supervisora editorial do Skeelo, é exatamente isso que a autora passa em sua obra. “Stacey conta, como uma lição de sua mãe, que os livros moldam o sentido do que é possível. Tendo a profunda crença no poder transformador da leitura, é sem dúvida, um orgulho, pela parceria entre Skeelo e Nacional levar ao alcance de tantos, com uma voz poderosa como de Jeniffer Nascimento, a história de Abrams, uma inspiração e chamado para todos que em algum momento já ouviram que não pertenciam ou não conquistaram seu lugar. Ela mostra não só que é possível conquistar espaços, mas que elevar a voz pela mudança é essencial”, comenta.

O audiobook Você pode fazer a diferença já está disponível no aplicativo Skeelo. Vale lembrar que a atriz Jeniffer Nascimento estará no próximo domingo, no estande do Skeelo, na 26ª edição da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, para um bate-papo sobre sua experiência com o audiolivro.

SERVIÇO

26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Data: 2 a 10 de julho de 2022.
Estande: C62
Evento: Jeniffer Nascimento no Skeelo Talks | Dia 03 de julho, às 15h, Bate-papo sobre a narração do audiobook “Você Pode Fazer a Diferença’’ de Stacey Abrams
Horário: De Segunda a sexta-feira, das 9h às 22h. Entrada no evento até às 21h, Sábados e domingos, das 10h às 22h. Dias 02, 03 e 09 entrada no evento até às 21h. Dia 10/07, entrada até as 19h.
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 | Vila Guilherme | São Paulo

Continuar Lendo

Destaque