Conecte-se conosco

Informação

DOC MARIZ LANÇA O LIVRO “CARECAS NÃO COMEM QUIBE”, SOBRE HUMOR NA PANDEMIA

Publicado

em

DOC MARIZ LANÇA O LIVRO “CARECAS NÃO COMEM QUIBE”
Humor durante a pandemia para ler ao acordar e ser feliz.

escritor Doc Mariz lança, na próxima semana, dia 17.12, às 19h, em uma Live no instagram (@editoraguardiao), o livro ‘Carecas não comem quibe’, uma coletânea de contos bem humorados, que, segundo o autor, foram feitos para serem lidos de manhã, ao sair de casa, a fim de enfrentar a monotonia do trabalho com um sorriso nos lábios.

Em seu nono livro, Doc Mariz, alter ego do médico carioca sessentão Antonio J. Mariz da Veiga, que sempre se dedicou à literatura focada no humor e cotidiano, sugere que seus leitores deixem o livro dentro do banheiro. “Então, lê um ou dois pontos e renova o sorriso no rosto” diz o ipanemense radicado em torno das montanhas mineiras de Juiz de Fora.

Em uma conversa muito prazerosa e, claro, bem humorada, Doc Mariz fala do humor na literatura, inspiração, pandemia e cotidiano e ainda nos dá de presente parte do conto que dá nome a obra ‘Carecas não comem quibe’ , o que nos dá um apetite enorme para ler o livro completamente. Confiram.

01.O senhor sempre escreveu livros e contos com pitada de humor. De onde vem esta inspiração?

Doc Mariz- A inspiração vem do cotidiano da vida de um profissional da área da saúde. São centenas de consultas por mês e algumas foram curiosas. Assim, decidi começar a escrevê-las, mudando os nomes e lugares, é claro!

02. Um cronista deve ter um olhar crítico sobre tudo que o cerca?

Doc Mariz- Algo um tanto crítico, algo um pouco irônico, debochado. Certa vez observei uma mulher nas ruas de Copacabana simplesmente porque ela carregava, displicentemente, em uma das mãos, as chaves do seu carro e balançava junto com o movimento dos seus quadris. Fantástico. Nunca soube quem ela era nem vi o seu rosto. Só as chaves e os quadris.

03.Todos seus personagens possuem um pouco da realidade ou são fictícios?

Doc Mariz- Em algum livro meu escrevi a estória de um senhor com bastante idade, velhinho mesmo, que se consultava comigo. Um dia perguntei qual era o segredo da sua longevidade e disposição. Ele respondeu que era “chuchu”. “Comer chuchu todas as semanas”. Achei estranho, mas continuei a consulta. Ao se despedir de mim ele chamou a sua acompanhante de vinte e poucos anos: Vamos embora “chuchu”. É claro que rendeu uma bela estória…

04. O careca de ‘Os carecas não comem quibe ‘ é um personagem que o senhor encontrou por suas andanças?

Doc Mariz- Foi em uma viagem de ônibus a trabalho que fiz. Chovia muito e fecharam todas as janelas. O ar-condicionado não funcionava. Um calor daqueles dentro do ônibus. Alguém soltou um pum horroroso. Daqueles intoxicantes. Acusaram o careca que estava na minha frente de ser o autor do gás venenoso. Disseram que ele havia comido algo na lanchonete da rodoviária. Eu me lembrei que tentei comer algo na rodoviária, mas só tinha quibe e com uma cara esquisita de velho. Resolvi interceder a favor do meu vizinho de poltrona e soltei a frase que todos riram: “Não foi ele e eu tenho certeza de que não foi ele o autor do pum. Pois “carecas não comem quibe!”

05. Este é o seu sétimo livro. Pode me dizer um pouco de cada um deles?

Doc Mariz- Amadureci nesses vinte anos que escrevo. O primeiro livro chamava-se “Contos que curam”. Era engraçado, mas tinha um pouco de melancolia escondida, pois estava terminando um casamento. Com o passar do tempo percebi quais contos o meu público gostava mais e aprimorei a escrita. E também o olho crítico.

06. O senhor se aventurou pelo universo infantil. Como foi esta empreitada? É especial escrever para crianças?

Doc Mariz- Meu primeiro livro infantil foi o “Pum Cor de Rosa” (será que eu tenho mania de pum?) Depois a Árvore da Batata Frita e, recentemente, o Brigadeiro Falante e o Pudim Pedinte. Meu filho Daniel, minha fonte de bagunça e inspiração. Ele é especial com 17 anos e tem um humor parecido comigo (ele é adotado). Muito parecido. Almas gêmeas!

07. Voltando aos CARECAS acredita que o humor, em tempos tão duros de pandemia, deve ser levado a sério?

Doc Mariz- Escrevi algumas historinhas para crianças que dou consultas,  filhos de conhecidos. E enviei pelo whatsapp para que os pais lessem para as crianças, enquanto elas coloriam os desenhos de cada página. São para levantar o astral de uma época que marcará a história do mundo definitivamente. O humor também “cura”, como escrevi no meu primeiro livro.

08. Acredita que o mercado cresceu para escritores com vertente humorística?

Doc Mariz- Se você se transportar para a premiação do Oscar americano verá que o melhor dos humoristas (Chaplin) nunca levou o Oscar. Quando estava quase morrendo, deram um prêmio simbólico para ele. Ninguém na nossa Academia Brasileira de Letras escreveu humor. E temos dezenas de ótimos escritores.

09. É fato que o lançamento de seu livro dia 17.12 estava previsto para ser em um bar em Ipanema com farta distribuição de quibe, mas com a pandemia foi cancelado?

Doc Mariz- Sim. Nasci e fui criado na Rua Prudente de Moraes, esquina com a Rua Joana Angélica. Seria uma apoteose fantástica.

10. O senhor é carioca, ipanemense e depois dos 50 anos resolveu ir viver em Minas. As montanhas mineiras mudaram seu modo de escrever, ou ainda pensa nas areias e ondas de Ipanema em suas criações?

Doc Mariz- Certa vez, meu filho estava internado no Hospital Monte Sinai em Juiz de Fora. Teve um tumor intestinal com dez anos de idade. Fiquei durante os 60 dias de internação dormindo ao seu lado. Em uma noite de insônia, eu senti o cheiro da maresia da praia de Ipanema. Chamei a enfermeira para sentir o mesmo cheiro e ela disse que eu estava delirando. Falei pra ela: talvez eu esteja errado e seja a maresia do Posto 6 de Copacabana; quase chamaram o psiquiatra de plantão. O mar está no meu sangue e no meu nome: MARIZ

11.Pode me citar uma boa lembrança de Natal?

Doc Mariz- Lembranças de uma cidade que nunca mais existirá. O bar Jangadeiros, na Praça General Osório, o botequim Garota de Ipanema, O Braseiro da Rua Montenegro (ótimo chope da Brahma), O Brasinha esquina com a rua Canning (o melhor galeto do planeta Terra), o sorvete do Moraes (depois a sorveteria Alex), o Bar do Zeppelin, o futebol de praia de homens vestidos de mulher no final de ano, o Colégio Chapeuzinho Vermelho, o Colégio Rio de Janeiro na Nascimento Silva, o cinema ao ar livre na Praça N.Sra da Paz às sextas feiras, o Cine Roxy, Cine Pax, Cine Pirajá que passava dois filmes pelo preço de um, as ruas enfeitadas para o Natal, a Feira Hippie com os Hippies, o centro da cidade com luzes coloridas para o Natal…

12. O senhor já escreveu uma crônica sobre a pandemia?

Doc Mariz- Sim, mas não publiquei. Talvez um dia…

13. Acredita em uma nova onda pandêmica?

Doc Mariz- Sim, não se esqueça de que sou Alergista e Imunologista. Quando me formei, há 40 anos,  não havia picanha, telefone celular, nem o tal infectologista. Era o clínico geral que resolvia todas as infecções. E o imunologista era chamado para aumentar as defesas orgânicas do cidadão. Os vírus são mutantes. Há quem diga que nós também sofremos mutações com o passar dos milhões de anos.

14. Isso tudo vai passar quando, em sua opinião, como médico experiente? O que diz António Mariz e o que diria o Doc Mariz?

Doc Mariz- O médico Antônio Mariz diria que a vacina vai ajudar algumas pessoas, não a todos. Pois existe uma palavra que a população odeia: depende. Repito diariamente essa palavra: depende. Já o escritor diria que a sogra foi obrigada a morar durante meses com o casal. Isso é pior do que muitos vírus juntos!

‘Carecas não comem quibe’

Certa vez, dentro de um ônibus a passeio, alguém soltou um “pum” fedorento. Muito fedorento. E chovia demais. As janelas do ônibus estavam fechadas e o ar condicionado não funcionava! Alguém próximo falou: – Quem soltou essa bomba deve ter comido algum salgadinho na rodoviária! Outro falou tampando a respiração: – Deve ter sido um quibe! Daqueles que ficam semanas na bandeja! – Pode ter sido aquele careca ali no banco da frente! Nesse exato instante, Doc Mariz interveio com sua sabedoria investigativa baseada nas séries de canal a cabo:
– Não foi ele! – E como o senhor sabe que não foi ele? Retrucou um fariseu! – Porque carecas não comem quibe!

Todos riram e finalmente as janelas foram abertas, a saída de emergência acionada e salvaram-se todos os passageiros de uma internação no SUS. Nunca se soube quem era o autor daquele “ataque terrorista gasoso intestinal”! E confesso que não fui eu! Bem, a frase ficou na minha cabeça… O trauma nasal e o cheiro também. Divirtam-se com esses novos contos de humor, mas, por favor: não comam salgadinhos em rodoviárias! Muito menos quibe!

A propósito, o último capítulo deste livro é um presente do Doc para os leitores hipocondríacos.

Ficha Técnica:

Editora Guardião
Ilustração de capa: João Pedro Mariz da Veiga
Capa: Roberta Pauletich
Projeto gráfico e diagramação – Roberta Pauletich
Revisão: Amanda Maia
Edição: Paulo Ballado
Impressão: Meta Solutions
ISBN: 978-85-69728-15-3
Capa brochura, lombada quadrada e acabamento laminado fosco.
204 páginas 
1ª edição – 2020

Continuar Lendo
13 Comentários

13 Comments

  1. RainMachinekpv

    28 de maio de 2021 at 14:34

    bride, Julie d’Angenne.

  2. Focussid

    27 de maio de 2021 at 10:44

    for Countess Louise of Savoy

  3. Blendereib

    27 de maio de 2021 at 07:47

    “Julia’s Garland” (fr. Guirlande de Julie)

  4. Stanmoreaqi

    27 de maio de 2021 at 06:42

    At the same time, many antique

  5. Feederkhj

    27 de maio de 2021 at 06:38

    Of his works, he is especially famous

  6. Superchipsrlf

    27 de maio de 2021 at 05:35

    which is carried out by the printing

  7. Airbladesud

    27 de maio de 2021 at 04:37

    book about the chess of love “, created by

  8. Furrionayf

    27 de maio de 2021 at 03:41

    , text and illustrations to which

  9. Sanderwcb

    27 de maio de 2021 at 03:00

    Western Europe also formed

  10. EOTechknu

    27 de maio de 2021 at 02:49

    drafts of literary works

  11. Linksysmsc

    27 de maio de 2021 at 02:09

    and 12 thousand Georgian manuscripts

  12. Superchipsenk

    27 de maio de 2021 at 01:12

    Of his works, he is especially famous

  13. Jpveiga

    14 de dezembro de 2020 at 18:33

    Conheço Antônio desde seu nascimento e por uma incrível coincidência conheço também o Doc desde sempre – os dois são fantásticos e cá entre nós, o Antônio é tão divertido e sem vergonha quanto o Doc!!!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informação

Publicado

em

Seis canções, duas já lançadas, e a faixa que dá título ao projeto, chegam a todos aplicativos de música.

Bruno Gadiol vem provando que além de um grande ator, com passagens em Sintonia- da Netflix- e Malhação- da Rede Globo, seu alcance como cantor é ainda maior. Com mais de 2 milhões de plays e figurando na playlist do Spotify com as 50 músicas que mais viralizaram no Brasil e em Portugal com, “Anestesiado”, o artista anuncia o lançamento da primeira parte de seu álbum “Jovem” para esta sexta-feira, 25 de novembro. Junto aos áudios, o single que dá título ao projeto também ganha clipe no Youtube.

Com seis faixas, quatro inéditas e duas já lançadas- “Anestesiado” e “paixão vs amor”, o álbum traz temas diversos, como o amor, a desilusão, o medo, a ansiedade, a paixão, autoestima, e outros. “Eu entendi que são assuntos muito presentes na nossa juventude, uma fase onde temos novas experiências e nos conhecemos melhor. Já havia uma faixa que levava o nome de “Jovem” e um dia minha ficha simplesmente caiu e virou também o nome do álbum. Um outro significado que gosto muito dessa palavra é que ser jovem não tem a ver com idade, e sim com nosso estado de espírito”, explica Gadiol.

Bruno Gadiol. Foto: Divulgação

Sobre o single que dá nome ao projeto, composto pelo próprio artista e Los Brasileiros que também assina a produção da canção, Bruno conta que é um convite pra viver a vida intensamente. “É um convite a se lembrar que somos jovens e a vida tá acontecendo agora. É sobre estar perdido e aceitar que está perdido. É sobre sair sem destino, aberto pras possibilidades da vida”, completa. Já no clipe, o artista reuniu seus amigos da vida para curtir uma noite de “rolê” juntos.

Além de “JOVEM”, “Anestesiado” e “paixão vs amor”, também estarão disponíveis as faixas “vc não é pra mim”, “lugar seguro”, “LOUCO DEMAIS” em “Jovem (part 1)”.

Bruno Gadiol iniciou sua carreira musical aos 15 anos, quando venceu um reality show infantil no programa TV Xuxa, exibido pela Rede Globo. Em 2016, o Brasil se surpreendeu novamente com seu talento ao chegar à semifinal do The Voice Brasil.

No ano seguinte, Gadiol se apresentou pela primeira vez como ator na novela ganhadora do Emmy Internacional, “Malhação – Viva a diferença”. Em 2018, Gadiol voltou a se dedicar à música lançando as canções ‘Seu Costume’ e ‘Me Amo’. Em 2019, o ator e cantor iniciou sua parceria com a HeadMedia/Universal Music lançando o single “Desculpa, Mas Eu Só Penso Em Você”. Já em 2020, o artista apresentou seu primeiro EP “Relacionamento a b e r t o”, mostrando porque é a nova aposta na música Pop brasileira. Apesar de estar 100% focado na música, o artista ainda permanece com um pézinho na dramaturgia. Em 2021, Bruno Gadiol voltou às televisões ao participar da segunda temporada da série “Sintonia” na Netflix.

Continuar Lendo

Informação

Pedro Albuquerque promete recriar a festa da Mansão Playboy

Publicado

em

Evento ocorrerá na próxima sexta e contará com modelos de OnlyFans e influenciadores

Os eventos realizados na Mansão Playboy com certeza eram os mais polêmicos de sua época, pois reuniam diversos famosos com as tão cobiçadas Playmates (conhecidas no Brasil como “coelhinhas”). O glamouroso evento se tornou um grande símbolo e referência para muitos outros empresários, como é o caso de Pedro Albuquerque.

O fundador da Santa Caliente, responsável pela carreira de diversas criadoras de conteúdo do OnlyFans, sempre sonhou em criar uma festa em referência ao que acontecia na antiga Mansão do dono da Playboy, Hugh Hefner.

“A receita das festas da Playboy era juntar celebridades de Hollywood com as coelhinhas”, revela Pedro. “Vamos repetir a fórmula, mas ao invés de celebridades vamos trazer influenciadores, e ao invés das coelhinhas vamos trazer as criadoras de conteúdo sensual”.

O empresário alerta que não vai deixar os valores da marca Santa Caliente de lado, ressaltando que quem manda na festa são as mulheres e nenhum assédio será tolerado. 

O evento, que será realizado na próxima sexta-feira (25 de novembro), contará com a presença de ex-BBBs, TikTokers e YouTubers, e a lista de confirmados já contém mais de 100 modelos de OnlyFans. Pedro promete um espetáculo com direito à stripper, tequileiros e uma line-up empoderada com MC Naninha, DJ Mari Moura e DJ Lari Vasconcelos.

Continuar Lendo

Informação

Alexandre Pires lança pré-save de nova música nas plataformas digitais

Publicado

em

Faixa “Pode Parar” traz a participação especial de Jorge, da dupla Jorge & Mateus, e estará disponível, em todas as plataformas, no próximo dia 11 de novembro

“Na Balsa” é o primeiro trabalho de inéditas de Alexandre Pires desde 2015

Celebrando 33 anos de carreira, 21 álbuns gravados (incluindo os com o SPC) e mais de 20 milhões de discos vendidos, Alexandre Pires está prestes a iniciar uma nova grande fase na carreira.

O cantor, compositor e multi-instrumentista lança, hoje (04/11), pré-save de “Pode Parar”, 1º single do álbum/DVD “Na Balsa”, nas principais plataformas digitais. A faixa é uma mistura super dançante de pagode com sertanejo e conta com a participação especial de Jorge, da dupla Jorge & Mateus. O lançamento oficial acontece no dia 11 de novembro.

“Na Balsa” é o primeiro trabalho de inéditas de Alexandre Pires desde 2015 e foi gravado durante a pandemia ao vivo no Rio de Janeiro. Conhecido pelo seu perfeccionismo, o artista preparou um grandioso espetáculo com seis incríveis participações, tendo como cenário a Baía de Guanabara.

Este registro contou com impecável superprodução de som, luz, cenografia, figurinos e efeitos especiais, montada em cima de estrutura aquática.

“Na Balsa” apresenta oito novas composições, que são exatamente bem do jeito que o seu público gosta: repletas de muito samba e balanço, passeando também pelo sertanejo e o melhor da referência do pagode anos 90.

As novas faixas serão lançadas gradualmente nos próximos meses e também trazem feats, que serão anunciados em breve, com diversos nomes importantes da música brasileira..

Faça agora a pré-save de “Pode Parar” aqui!

Não deixe de conferir este projeto na sua plataforma digital preferida!

 

Sobre Alexandre Pires

Alexandre Pires é um dos artistas brasileiros mais consagrados no mercado da música internacional. Além de possuir diversos prêmios internacionais, é considerado também um ícone latino com mais de 18 milhões de discos vendidos.

Levando aos palcos o melhor do samba romântico, Alexandre Pires iniciou sua carreira no final dos anos 80, liderando o grupo Só Pra Contrariar, que conquistou uma vasta audiência.

Após diversos anos de sucesso ao lado do SPC, em 2001 começou a sua carreira a solo, da qual resultaram hits como “Você Roubou A Minha Vida”, “Necessidade” e “É Por Amor”. Já em 2003 conquistaria um novo nível de fama internacionalmente ao ser convidado por George W. Bush, então presidente dos EUA, para cantar na Casa Branca no mês em que se comemora a Descendência Hispânica no país.

Desde então, o cantor tem lançado inúmeros trabalhos que lhe renderam vários sucessos no Brasil. Neste momento, Alexandre Pires também vem arrastando multidões com o animadíssimo “Baile do Nego Véio 2”, show com mais de 3h que reúne hits do SPC e dos anos 90, e o aclamado “Irmãos”, projeto ao lado do parceiro Seu Jorge.

Sobre Opus Entretenimento

Celebrando 46 anos de atividade, a Opus Entretenimento é a maior plataforma de shows e entretenimento ao vivo do Brasil. Comprometida com a excelência em todos os projetos em que se envolve e por acreditar no poder transformador da tríade cultura, conteúdo e experiência, a empresa vem promovendo grandes artistas nacionais e internacionais.

Administradora de 10 casas de espetáculos pelo país nas regiões Nordeste, Sul e Sudeste, responsável por receber mais de dois milhões de espectadores por ano, a marca também faz a gestão artística de importantes nomes da música e do entretenimento brasileiro como Ana Carolina, Seu Jorge, Alexandre Pires, KLB, Luccas Neto, EME, Daniel, Maurício Manieri, Roupa Nova, Munhoz & Mariano, Só Pra Contrariar, Hello Adele Tribute, Sinatra 1915 Tribute, além dos ilusionistas Henry e Klauss.

A Opus Entretenimento também é responsável pelas consagradas turnês dos projetos “Cabaré” com Leonardo, Bruno e Marrone; “Irmãos” com Seu Jorge e Alexandre Pires; “Samba, Sertão & Brasa”, que reúne os cantores Daniel e Alexandre Pires. Recentemente, a empresa assumiu a realização dos tradicionais festivais Curitiba Country Fest e Festival do Pinhão, em Lages.

Além disso, a marca se orgulha em ser a promotora responsável pela vinda de um dos conteúdos mais amados por gerações de brasileiros: o Disney On Ice. Com décadas de existência, a atração vem se renovando a cada ano e continua sendo um dos espetáculos preferidos de toda a família no Brasil e no mundo.

A Opus Entretenimento também realizou turnês internacionais de nomes como Guns N’ Roses, Kiss e Hanson, e shows internacionais de Ray Charles, Norah Jones, Justin Bieber, Avril Lavigne, Paramore, Evanescence, entre outros. Para mais informações, acesse o site da Opus.

Continuar Lendo

Destaque

Copyright © 2021 ocimar.com. Todos os direitos reservados.