Connect with us

Informação

Mês Mundial de Conscientização da Gestação Após a Perda

Published

on

Com exames preventivos e pré-natal cauteloso, é possível ter uma gestação saudável após um aborto e aguardar o desejado bebê arco-íris

Dra. Mariana Rosario, ginecologista, obstetra e mastologista, explica que a investigação de problemas ocorridos na gestação anterior, que levou ao aborto, podem indicar alterações na saúde materna que pode causar o aborto. Ao tratar a questão, evitam-se os abortos de repetição

Dra.  Mariana Rosário

Ginecologista, Obstetra e Mastologista. CRM- SP: 127087. RQE Masto: 42874. RQE GO: 71979

São Paulo, 8 de março de 2021 – O que esperar de uma gestação ocorrida após um aborto espontâneo? O medo de perder novamente um bebê acomete muitas famílias – e essa situação não é difícil de acontecer. Abortos de repetição, infelizmente, são comuns – e as causas podem variar de alterações genéticas, endocrinógicas e metabólicas a trombofilias, conforme explica Dra. Mariana Rosario, ginecologista e obstetra. “O abordo pode ocorrer por diferentes causas e em momentos distintos da gestação. Às vezes, nem sequer conseguimos identificar a causa, mas é preciso investigar quando ele acontece repetidamente”, diz ela.

É considerado um aborto a interrupção natural da gestação de até 22 semanas, com o feto pesando até 500 gramas. Muitas mulheres perdem o bebê antes mesmo de saber que estão grávidas – a chance de ocorrer um aborto nas primeiras semanas gestacionais é de 40%. Abortos de repetição, por sua vez, são perdas ocorridas por três ou mais vezes consecutivas.

Março é considerado o Mês Mundial de Conscientização da Gestação Após a Perda. Essa campanha foi criada para que as famílias buscassem ajuda para não enfrentarem um segundo aborto. “É traumático perder um bebê e muitas famílias demoram um bom tempo para lidar com esse luto. Tanto é que o bebê que vem após a perda, de tão desejado, é chamado de bebê arco-íris, aquele que trará esperança e ressignificação à família após um período de tempestade”, comenta a médica.

E como garantir que o bebê arco-íris realmente virá? Segundo a Dra. Mariana Rosario, existem alguns problemas que podem causar abortos e, quando uma mulher chega ao consultório e relata que eles existem em sua família, em seu histórico de saúde ou ela já passou por um aborto, é necessário que se investigue. “Se a paciente teve um quadro de trombofilia, é importantíssimo que se investigue e se adotem medidas preventivas para que ela não repita o processo. Se, na família, há casos e alterações genéticas, podemos investigar. Quando a mulher apresenta malformações uterinas, elas precisam ser tratadas antes que ela engravide. E, assim, vamos nos cercando de cuidados que viabilizem a gestação”, exemplifica Dra. Mariana (foto).

Para que se entenda melhor, algumas situações são propensas a causar abortos:

Alterações genéticas – Existem situações em que o feto sofre alterações genéticas e o aborto ocorre. As mais comuns são duplicações, trissomias ou perdas de cromossomo inteiro ou parte dele nas células do feto. Essa situação é comum, também, em casos de fertilização, sendo necessária a realização de análise genética do embrião. Quando os pais têm alteração genética, podem existir situações chamadas de incompatíveis com a vida, então, ocorre o aborto. Apenas após o primeiro aborto é que é possível realizar testes genéticos nos pais para que se descubra alguma alteração.

Alterações endócrinas ou metabólicas – Problemas de saúde maternos podem impactar não apenas a mãe, mas o bebê. Diabetes, Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), insuficiência lútea, aumento considerável da prolactina e distúrbios da tireoide podem levar à perda fetal. Por isso, é preciso que, antes da concepção, a mulher seja tratada.

Problemas imunológicos – Toda gestante é imunologicamente suprimida, para que seu organismo não ataque o bebê, um corpo estranho. Porém, uma falha pode ocorrer e haver rejeição ao feto, acontecendo uma resposta imune protetora.

Malformações uterinas – Existe uma série de malformações uterinas que podem impedir a implantação do embrião ou seu correto desenvolvimento.

Trombofilias – Grande vilãs da saúde materna, as trombofilias são alterações na coagulação que levam à formação de trombos – coágulos que podem impedir o transporte de nutrientes e oxigênio pela placenta, interrompendo o desenvolvimento do feto. Quem tem histórico anterior ou casos na família precisa fazer exames específicos, como pesquisa de mutações no Fator V de Leiden, na Protrombina, e polimorfismo 4G/5G, além da pesquisa de anticorpos irregulares (SAAF) e deficiências em proteínas envolvidas com a coagulação (como as proteínas S e C).

Estilo de vida e hábitos pouco saudáveis – Tabagismo; uso de drogas; consumo de álcool; obesidade; sedentarismo, uso indiscriminado de medicamentos e tudo o que se traduz em maus hábitos pode contribuir para o aborto. Inclusive, o pai tem papel importante neste quesito: a qualidade do espermatozoide – que é prejudicado por esses fatores – está associada ao aborto de repetição.

“Por tudo isso, é imprescindível que sejam realizados exames para diagnóstico de possíveis alterações e um pré-natal adequado. O sonho de ter um bebê pode ser realizado sem traumas e também é preciso pensar na saúde da mulher, física e emocional, que precisa ser preservada”, finaliza Dra. Mariana Rosario.

Sobre a Dra. Mariana Rosario

Formada pela Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André (SP), em 2006, a Dra. Mariana Rosario possui os títulos de especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia pela AMB – Associação Médica Brasileira, e estágio em Mastologia pelo IEO – Instituto Europeu de Oncologia, de Milão, Itália, um dos mais renomados do mundo. É membro da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) e formação em Longevidade pela ABMAE – Associação Brasileira de Medicina Antienvelhecimento. É médica cadastrada para trabalhar com implantes hormonais pela ELMECO, do professor Elsimar Coutinho, um dos maiores especialistas no assunto. É membro do corpo clínico do hospital Albert Einstein, um dos mais renomados do mundo.

Possui vasta experiência em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia, tanto em Clínica Médica como em Cirurgia Oncoplástica. Realiza cursos e workshops de Saúde da Mulher, bem como trabalhos voluntários de preparação de gestantes, orientação de adolescentes e prevenção de DST´s. Participou de inúmeros trabalhos ligados à saúde feminina nas mais variadas fases da vida e atua ativamente em programas que visam ao aprimoramento científico. Atualiza-se por meio da participação em cursos, seminários e congressos nacionais e internacionais e produz conteúdo científico para produções acadêmicas. É médica cadastrada para trabalhar com implantes hormonais pela ELMECO, do professor Elcimar Coutinho, um dos maiores especialistas no assunto.

Dra. Mariana Rosario – Ginecologista, Obstetra e Mastologista. CRM- SP: 127087. RQE Masto: 42874. RQE GO: 71979.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informação

Spark lança “Proposta”

Published

on

Faixa faz parte do Projeto Spark Trap 2021
 
Com um projeto de áudio e vídeo gravado por sua passagem no Brasil no começo do ano, com 10 faixas, Anderson Talisca, lança nesta sexta-feira “Proposta”. Com produção musical de Rafa Jah, a canção fala da proposta de um casal em fazer amor. E Talisca afirma: É uma das letras que mais gosto no projeto, é uma música bem swingada, pra dançar bastante. Além de toda malemolência que o Trap proporciona”.
Vale lembrar que, no começo do mês, o artista fez uma live em prol da APE(Associação dos Profissionais de Eventos) que conseguiu ajudar muitas famílias. Além de ter tido em 1h40 mais de 14 mil pessoas assistindo.


“Estou muito feliz com tudo que vem acontecendo no projeto. A live foi um sucesso e as músicas têm tido uma excelente aceitação do público. Em breve teremos ainda mais novidades”, completa Anderson Talisca.

Continue Reading

Informação

Dr. Bactéria Dicas

Published

on

Dr. Bactéria ensina como prevenir as doenças de Outono

No outono, iniciam os meses mais frios do ano. Nestes períodos existem características que justamente vão dar origem as chamadas “Doenças do Outono”.  Apesar do isolamento social ( que nem sempre é respeitado), menor ventilação de locais (transportes públicos, casas, escritórios, etc), maior taxa de poluição ambiental, baixa umidade relativa do ar, temperaturas mais baixas, menos exercícios físicos. 



“Níveis acima de 70% de umidade vão facilitar a produção de alimentos para ácaros (a poeira doméstica tem cerca de 80% de pele humana, esta umidade alta vai possibilitar uma farta alimentação para os ácaros e sua multiplicação). Como consequência, temos uma grande produção de bolotas de fezes que, vão dar origem a asma e rinite. Evitar umidificadores ambientais, toalhas molhadas nos quartos, bacias com água. Ar condicionado é muito bem vindo, pois retira umidade do ambiente”, explica Dr. Bactéria – o biomédico Roberto Martins Figueiredo.

Entre as outras dicas do Dr. Bactéria, por exemplo, para eliminar focos de bolores, a água sanitária tem um excelente efeito contra  bolores. Já os casacos de lã, edredons guardados deveriam ter sido lavados, muito bem secos e mantidos em sacos de TNT – tecido não tecido – se não foram mantidos desta forma devem ser lavados antes do uso.


Mais sugestões:

– Evitar bichinhos de pelúcia, livros antigos ou qualquer coisa que poderia guardar poeira nos quartos;

– Ar condicionado – embora seja indicado, não se esquecem de lavar os filtros quinzenalmente ( 15 em 15 dias), pelo menos, e abrir as janelas a maior parte do tempo possível;

– Exercícios físicos adequados e orientados tendem a aumentar a resistência e imunidade das pessoas. Não deixe de praticar.

–  Vacinação contra gripe – sobretudo para grupos de risco.

“São procedimentos não trabalhosos, mas que devem ser condicionados dentro de uma rotina diária para melhorar a qualidade de vida de toda família”, finaliza o biomédico Roberto.

Continue Reading

Informação

Mulheres assumem cabelos brancos na quarentena e a dermatologista Carla Bortoloto explica sobre os cuidados com esses fios

Published

on

O isolamento social, devido à pandemia, trouxe uma nova atitude às mulheres que nunca aceitavam seus cabelinhos brancos que insistem em nascer todos os meses: assumir estes fios sem coloração alguma!

Neste novo momento, as madeixas brancas e a fase de transição vieram sem culpa, trazendo o sentimento de que estão seguras e bonitas.

A causa do surgimento dos cabelos brancos em pessoas mais jovens é quase sempre genética. “Deve-se buscar alguma alteração metabólica no sentido nutricional. A baixa ingestão de cobre pode levar a um embranquecimento precoce dos cabelos, mas isso é raro. Alimentos que contêm cobre são os frutos do mar e o chocolate amargo”, explica Carla Bortoloto, médica especializada em Dermatologia clínica e cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD) explicar algumas dúvidas sobre cabelos brancos.

O cabelo branco aparece porque ocorre um fenômeno anatômico chamado apoptose, que é uma morte celular programada do melanócito (célula que produz a melanina, pigmento que dá a cor aos pelos e à pele).

O estresse, ao contrário do que se pensa, não apenas desencadeia o processo, mas também faz com que os cabelos caiam mais depressa. Como os cabelos brancos são mais espessos, eles demoram mais a cair, dando a impressão de que os cabelos ficaram mais brancos.

O sol piora a qualidade da proteína da qual é feito o cabelo. “Os brancos não têm a proteção da melanina, portanto sofrem mais ainda a agressão. Têm que ser protegidos com filtro solar e na piscina o cuidado é com o cloro e com o cobre na água que podem mudar um pouco a cor dos brancos (deixá-los mais amarelados). Portanto o ideal é usar uma proteção com silicone nas piscinas”, afirma Carla Bortoloto.

As diferenças raciais influenciam no surgimento dos cabelos brancos, mas dependem dos genes. Nos brancos a canície se dá entre 35 e 45 anos. Nos amarelos entre 45 e 55 e nos negros só depois dos 55 anos.

Para quem prefere não pintar, a indicação com os cuidados é utilizar sempre xampus especiais para cabelos brancos (que protegem contra o amarelamento e os mantêm mais brancos) e fazer uso de boas hidratações capilares. “Outro motivo do aspecto amarelado geralmente é devido à sujidade acumulada”, finaliza Carla Bortoloto.

Sobre a Dra.Carla Bortoloto

Médica especializada em Dermatologia clínica e cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD)

Continue Reading

Destaque

Copyright © 2021 ocimar.com. Todos os direitos reservados.