Conecte-se conosco

Fique por dentro

Nova flexibilização deixa pousadeiros e empresários otimistas em Fernando de Noronha

Publicado

em

Depois de vacinar 100% da população adulta com as duas doses da vacina contra a covid-19, o Arquipélago de Fernando de Noronha entrou em uma nova etapa do plano de convivência elaborado pelo governo de Pernambuco. Agora, para entrar na ilha, os visitantes precisam apresentar o comprovante de vacinação digital.

Para a presidente da Associação das Pousadas de Fernando de Noronha, Adriana Flor, a flexibilização é positiva. “Todo mundo precisa se vacinar para voltarmos o mais rápido possível para o novo normal. Mesmo estando com 100% dos adultos da ilha vacinados, não podemos relaxar. A pandemia não acabou. Acredito que as novas regras irão nos trazer ótimos resultados”, comentou Adriana.

Ainda de acordo com a presidente da associação, a expectativa é que haja um aumento no fluxo de visitantes, o que deve acontecer mais para frente.

Com o avanço do plano de convivência contra a covid e seguindo todas as regras para combater a propagação do vírus, pousadeiros e empresários já estão planejando as festas para o Réveillon, como é o caso da Pousada Zé Maria. Outros hotéis e pousadas, como a Dolphin Noronha e a Morena, vão oferecer a ceia de réveillon e um brunch, entre outros mimos. Mais informações sobre hotéis e pousadas estão disponíveis no site www.apfn.com.br.

Comprovante de Vacinação Digital

Uma das opções para emitir o comprovante de vacinação digital é por meio do Conecte SUS Cidadão.

Para quem só tomou uma dose, além do comprovante de vacinação será preciso apresentar o exame negativo para covid; testes rápidos e exames de busca de antígenos não serão aceitos. Os visitantes que já tomaram as duas doses precisam ficar atentos com a data da aplicação da última dose. Nestes casos, a aplicação precisa ter ocorrido há mais de 21 dias.

Para crianças de 7 a 11 anos, será necessário apresentar resultado negativo de teste RT-PCR ou resultado reagente do exame IgG por sorologia. Os adolescentes entre 12 e 17 anos que não tomaram a vacina também precisarão apresentar os exames. Crianças de até 6 anos ficam dispensadas da apresentação de exames.

Continuar Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro

Exposição “Amazônia”, de Cristina Jobim, traz a Floresta e os Corais da Amazônia ao Centro Cultural Correios RJ

Publicado

em

Exposição “Amazônia”, de Cristina Jobim, traz a Floresta e os Corais da Amazônia ao Centro Cultural Correios RJ, com curadoria da Tartaglia Arte.

Uma experiência visual e sensorial, com cores, sons, cheiros e luzes exaltando as obras, trazendo protesto e  conscientização em forma de arte.

 A artista plástica Cristina Jobim abre a exposição “Amazônia”, composta por salas sobre a ‘Floresta Amazônica’ e sobre os ‘Corais da Amazônia’, atenta à necessidade da preservação e conscientização desse tesouro natural, onde o observador poderá fazer uma verdadeira viagem visual e sensorial, com sons, cheiros e uma explosão de cores e luzes, que saem das telas e ganham vida, encantando visualmente e provocando as mais diversas emoções.

A  Amazônia é um bioma único no mundo, com 60% de sua extensão no Brasil, com rios, fauna e flora, fontes de água e vida. Recentemente foram descobertos os Corais da Amazônia – na bacia da foz do Rio Amazonas, recifes sobrevivem em grandes profundidades e onde quase não chega luz. A água da região é turva porque o rio carrega com ele pedaços de floresta: restos decompostos de árvores, folhas, terra, animais etc. Cientistas acreditam que nos Corais vivem peixes que nunca foram catalogados pela ciência, e também bactérias, fazendo dos recifes uma possível futura “farmácia submarina”.

Por isso, pessoas do mundo inteiro unem suas vozes para mostrar o quanto a floresta é importante para suas vidas. Proteger a Amazônia é proteger nosso futuro!

A exposição apresentará obras de diversos tamanhos, em acrílico sobre tela, mas que possuem vida própria, com curadoria de Riccardo Tartaglia e Regina Nobrez (Tartaglia Arte), no Centro Cultural Correio RJ, a partir do dia 16 de dezembro. 

O espaço expositivo  ‘Floresta Amazônica’  terá  telas de grandes e médios tamanhos e, no espaço expositivo ‘Corais da Amazônia’, uma parede sobre os corais, com 36 obras de pequenas dimensões , atuando isolada e simultaneamente, de modo a despertar a essencialidade de cada elemento que compõem o universo do bioma amazônico e a contribuição individual de cada um deles para a existência do todo.

De acordo com Cristina Jobim, “a Amazônia é um bioma composto por infinitos elementos orgânicos, cada qual com incontestável importância para a floresta. O despertar de luzes e cores de cada obra se materializa em sua concepção. Os corais, fonte de vida, com seus matizes infinitos, foram ao mesmo tempo fonte de inspiração para a coleção, e um recorte, um catalisador da mensagem do universo da exposição. Verdadeiramente, a grande influência para a minha criação”.

A obra de Cristina Jobim não mostra a influência de outros artistas, porque sua arte e técnica são frutos de pesquisas e experimentações próprias, resultado de sua inquietude em relação às cores e comportamento das mesmas em superfícies e densidades diferentes. Em “Amazônia”, há uma forma de protesto, porque a Arte reflete a vida. “Penso que neste momento em que vivemos, todos temos que destacar a importância da Amazônia, trazendo seus elementos para a luz, para a ótica crítica do espectador, resgatando o que a humanidade tem de mais precioso, que é a vida”, afirma Jobim.

 SOBRE CRISTINA JOBIM

Cristina Jobim nasceu em Salvador, vive no Rio de Janeiro há 25 anos e atua no segmento de Tecnologia da Informação. Começou a pintar aos seis anos de idade. Já pintou cerâmica, bandejas de madeira, utilitários, peças de decoração, que  compõem seu acervo pessoal e o de amigos. Tem no bairro de Copacabana, a praia, o mar, o sol e as flores, a natureza como inspiração. Procura a poesia das cores, as formas que dão o primeiro insight para a criação de uma obra. 

 

De inspiração livre e autodidata, aprimora suas técnicas, experimenta cores e amadurece suas aptidões artísticas a cada novo quadro. Após anos de produção amadora, colecionando elogios, críticas construtivas, resolveu dedicar-se a pintar profissionalmente. Produzir arte, em consonância com o mercado, exigiu da pintora conexão com tendências e comportamento de consumo cultural. Em busca de seu registro artístico pintou algumas séries de quadros, catalogados em fases ou coleções da artista. 

 

Possui obras em 4 países:  Alemanha, Brasil, Itália e Portugal, e alguns prêmios acumulados em sua carreira artística. Atualmente tem a Amazônia brasileira como inspiração principal e forma de conscientização. 

 

A TÉCNICA DE CRISTINA JOBIM

Acrílico sobre tela, bem difundida, uma opção clássica. Em busca de encontrar harmonia, de despistar as sombras, de iluminar os caminhos do olhar abstrato se vê a força da arte presente nos quadros.

As composições de cor conversam, convivendo sem roubar a cena. As cores mais vistas não ofuscam as cores menos presentes ou de potência reduzida. As cores não se sobrepõem intencionalmente e isso revela a personalidade artística do trabalho.

É como num jogo de encantamento, que provoca movimento no quadro, fazendo com que seu observador seja livremente conduzido. A ideia é de que se considere que o mesmo quadro leve a caminhos diferentes, interagindo com o estado de espírito de seu observador. Um padrão de início sem destino previsto, sequer conhecido.

EXPOSIÇÕES REALIZADAS

. Exposição Olhar 2017 – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

. Exposição Mottainai 2018 – Memorial da América Latina SP

. VIII Salão Internacional de Artes Plásticas SINAP/AIAP 2018 – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

. Exposição Garden 2018 – Restaurante Garden Ipanema RJ

. Exposição Pigmentando o Mundo 2019 – Museu da Receita Federal / Ministério do Planejamento RJ (individual)

. Exposição Pigmentando o Mundo 2 / 2020 – Museu da Receita Federal RJ (individual)

. Galeria de Artes Sala Djanira (individual)

. CEPERJ Rio de Janeiro (individual)

 

SOBRE A TARTAGLIA ARTE

 

A Tartaglia Arte foi fundada em 1950 como um estúdio de pintura pelo artista Piero Tartaglia, então conhecido como Piery. Após alguns anos, criou um ponto de referência e encontro cultural com outros artistas e jovens talentos onde, sob a orientação do Mestre, desenvolveram seu estilo pessoal. A paixão avassaladora de Tartaglia  pela expressão pictórica com explosões de cor pura e contrastes violentos que tornam a tela viva, deu vida à Escola do Disgregacionismo.  Posteriormente fundou as Galerias, para exposição permanente de seus trabalhos e os de seus alunos, e que hoje são dirigidas pelo filho Riccardo. 

 

O amor pela arte e uma visão cultural ampla são as peculiaridades deste grande artista, e representam sua herança moral e espiritual. Herança que continua sendo representada por Riccardo Tartaglia, que trabalha com a mesma seriedade e tenacidade na propagação da arte, através de exposições e eventos internacionais. Mas tudo com a assinatura de Riccardo Tartaglia e Regina Nobrez (Membro da Academia de Belas Artes do Rio de Janeiro e Embaixatriz Cultural com Honoris Causa, pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina – Honra da Arte de Florianópolis), o que confere um atestado de credibilidade e sensibilidade criativa. 

Site: tartagliaarte.org

 

SERVIÇO

 

Exposição: “AMAZÔNIA”

Artista: CRISTINA JOBIM

Instagram: @cristinajobim.art

Curadoria: Riccardo Tartaglia e Regina Nobrez – Tartaglia Arte

Instagram: @reginanobreztartaglia @tartagliaarte

Local: Centro Cultural Correios RJ (Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, RJ)

Abertura: 16 de dezembro de 2021 às 17h

Visitação: 17 de dezembro de 2021 a 06 de fevereiro de 2022

Dias e horários: terça a sábado, das 12h às 19h

Censura Livre

Acesso Gratuito

Acessibilidade: Sim

Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem @_paula_r_soares

Representação comercial: Tartaglia Arte (21) 96588-2653 

Concebido e organizado por Tartaglia Arte – www.tartagliaarte.org

Apoio: Centro Cultural Correios – RJ /  Ministério das Comunicações – Governo Federal

Uso de máscaras e comprovante de vacinação são obrigatórios

Fotos: 1. Pintura “TIO AQUA (isolado por água)”

          2. Convite exposição

          3. Cristina Jobim

 

 

Continuar Lendo

Fique por dentro

Usando símbolo LGBTQIA+ brasileira é reconhecida como notável nos EUA

Publicado

em

Usando símbolo LGBTQIA+ brasileira é reconhecida como notável nos EUA e discursa em favor de minorias.

 A empresária Carol Larson foi reconhecida como uma das maiores referências no mercado contábil americano, recebendo a comenda de destaque do prêmio: “Notáveis 2021”, discursando em favor das minorias.

Fundadora de uma das maiores empresas de contabilidade nos EUA, a Larson Accounting, a mato-grossense que vive em Orlando a vinte e três anos se tornou referência no competitivo mercado americano.

Atingindo a marca de mais de doze mil clientes atendidos mês a mês, a empresária recebeu o prêmio com uma fita em defesa do público LGBTQIA+ presa em seu vestido e discursou em prol dos mais vulneráveis.

“Ser uma pessoa de sucesso é aprender que tudo que você realiza só tem sentido quando você não vira as costas pra quem precisa de você. Sou mulher e sei dos enfrentamentos que tive que ultrapassar, desbravando meu caminho como imigrante nesse país. Militar em causas sociais e dar visibilidade para essas pautas é uma preocupação minha e dever de todos nós, principalmente no momento em que estamos atravessando no Brasil.”

Com o sonho de criar algo novo e empreender, desenvolvendo um novo modelo de negócio, a jornada foi longa até que a formação nos EUA e todas as certificações junto a IRS (Receita Federal Americana), fossem conquistadas. Carol Larson é hoje uma das poucas pessoas com formação em contabilidade, que possui todas as chancelas, habilitada e representar seus clientes junto a IRS – Receita Federal Americana.

O sonho que começou num pequeno escritório, hoje se desdobra num complexo aporte de atendimento que atende não só os residentes fiscais nos EUA, como também de diversos outros países através da International Division, setor criado para absorver a demanda de empreendedores do mundo inteiro que desejem investir em território americano.

Indicada como notável, o trabalho de Carol Larson parece não parar por aqui e já toma espaço de empresas sólidas nos EUA. Com diferenciais no oferecimento de seus serviços a Larson é uma das poucas empresas que inovam o tempo todo no setor de contabilidade, desde planejamento tributário a serviços personalizados, como: Business Advisor, para executivos de alta performance que desejam diversificar investimentos com segurança e rentabilidade de forma legal e segura.

” Sou mulher, brasileira, imigrante e motivo de orgulho do lugar onde nasci.” Declara Carol Larson, que ocupará lugar de destaque no museu do imigrante.

Continuar Lendo

Fique por dentro

BELA lança “sal e sol” – Disponível nas principais plataformas digitais

Publicado

em

Cantora BELA lança nas redes “sal e sol”, balada poderosa que começa a mostrar o repertório de seu primeiro EP, “ecoar”

Desde o final de 2020, o público brasileiro está conhecendo o talento e as propostas de BELA, uma jovem cantora carioca que, encantada com o folk de grupos como Mumford and Sons e Of Monsters and Men, desenvolve o gênero numa mistura com suas origens brasileiras.

“sal e sol” chega às plataformas digitais aumentando ainda mais a força da compositora e mais uma vez oferecendo a quem escuta um canto seguro, afinadíssimo e muito particular. Mas tratar a nova canção apenas como seu terceiro single seria simplificar as coisas. Porque, na verdade, o lançamento dispara a entrega aos fãs de seu primeiro EP, “ecoar”.

Depois de lançar digitalmente as canções “The Wolf” e “Desandar”, BELA tinha na cabeça um primeiro disco completo, que estava desenvolvendo há quase dois anos, desde que voltou da Inglaterra após uma temporada estudando música na BIMM (The British and Irish Modern Music Institute). Mas foi justamente esse período fora do Brasil que acabou mudando seus planos.

“Essa viagem foi marcante para mim, não só por ter ido estudar música, mas pela experiência de morar fora, que é uma grande chance de você se conhecer. Eu me conheci melhor como Isabela e como BELA, artista. Morar fora me fez olhar muito para as minhas raízes. Acima de tudo, foi uma viagem dentro de mim, que prosseguiu mesmo depois do retorno ao Brasil.”

Foi esse reencontro com o país que disparou novas composições.

“Quando eu voltei de Londres, o álbum ia ser outro. As músicas eram outras. Para mim foi importante esse amadurecimento, passar pela pandemia para entender o que eu queria comunicar como artista.”

“sal e sol” é um convite para o ouvinte acompanhar a evolução da compositora, que poderá ser completamente admirada quando “ecoar” chegar completo ao mercado. A ideia de BELA é lançar antes quatro canções nas redes, todas com videoclipes produzidos, uma de cada vez. “sal e sol” acaba sendo um primeiro passo de transição bem tranquilo, pois ainda tem a batida forte de violão característica do folk, mas já começa a mostrar indícios de novos rumos. Essa mudança vai se escancarar com “banjo com agogô”, que deve ser lançada em fevereiro. “Como sou uma artista nova, é interessante soltar uma canção de cada vez e depois lançar o EP com todas as músicas. Dá para tirar o melhor de cada uma.”

Assim, cada canção poderá ser degustada com atenção pelas pessoas, sem que uma concorra com as outras. As surpresas serão muitas, mas todas as faixas vão conversar entre elas. Haverá conexões claras, devido ao que BELA aponta como sendo pilares básicos de seu trabalho de compor. “São coisas muito latentes dentro de mim, com as quais me identifico muito. Eu dividi as músicas dentro de quatro pilares, que são a natureza, o amor, a poesia e um lado mais místico”, ela explica.

É inevitável que esses temas às vezes se misturem, em letras nem um pouco simples, mas com mensagens positivas, diretas e de extrema beleza. O nome do EP, “ecoar”, dá título a uma das faixas, mas “sal e sol” passou na frente dela porque carrega uma urgência poética que se impôs para ser a primeira canção a chegar ao público.

Para BELA, “a música fala muito sobre a clausura e sobre poder respirar de novo. A pandemia foi um gatilho para escrever essa música, porque realmente eu me senti muito enclausurada em casa. Senti muita falta de poder estar perto da natureza. Quando pude estar, eu senti um poder de cura forte, ao entrar no mar, sentir o sal na minha pele, sentir o sol na minha pele. Foi como se eu pudesse respirar de novo.”

BELA gravou o videoclipe da música em Ilha Grande, no Rio de Janeiro, numa casa flutuante sobre o mar de um azul impressionante. “No meio do nada!”, diverte-se a cantora. Se ela aparece sozinha no clipe, no estúdio ficou muito bem acompanhada.

Antes de começar as sessões, ela registrou com o violonista Leo Rodrigues as guias de cada canção, que mostram como é cada uma numa linha básica de voz e violão. “O Leo é meu parceiro oficial de guias”, conta. Uma vez no estúdio, entra o olhar do produtor. BELA trabalhou com Juliano Cortuah. “Ele tenta tirar o melhor de cada canção, é muito perfeccionista.” Ele gravou os violões, depois foi a vez da bateria de Pedro Mamede. Depois da cantora gravar as vozes principais, Cortuah foi adicionando outros instrumentos, ele mesmo se encarregando de baixo e guitarra, e mais os teclados de Eduard Follmann. “Alguns músicos gravaram de casa”, recorda BELA. “O André Siqueira fez toda a percussão de casa. Foi um processo longo, cinco meses até eu receber a master final. Nas gravações, as músicas foram amadurecendo, e acho que chegaram ao ponto ideal de serem mostradas para o mundo.”

BELA queria muito lançar o disco por um selo. “É um apoio bem bacana”, conta, feliz em ter assinado com o selo paulista Relva Music.

Depois de “sal e sol”, mais três músicas serão lançadas como single. Outras duas vão fazer parte exclusivamente do EP, recheado de canções solares, positivas. “Está na hora de criarmos uma realidade melhor”, afirma a cantora.

Um minidocumentário está sendo registrado desde o primeiro dia de trabalho no estúdio. Com o EP no mercado, o minidoc ficará acessível ao púbico. Assim, a força do canto e dos versos de BELA irá proporcionar um atraente retrato de uma grande artista quando jovem.

Ouça “sal e sol”: https://ingroov.es/salesol

instagram: @isabelazaremba

youtube: youtube.com/belazaremba

tiktok: @belazaremba

telegram: BELA • canal

Continuar Lendo

Destaque