Conecte-se conosco

News

Mulher se destaca na restauração de edifícios históricos

Published

on

A piauiense Alex, 29 anos, é restauradora de serralheria e ferragens e atua na obra de restauro do Jockey Club de São Paulo, desde agosto.

Alex Sandra de Castro ou simplesmente Alex, como prefere ser chamada, mora em Manaus (AM). Um de seus maiores trabalhos de restauro foi o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, construção do século 19 às margens do Rio Negro, de estrutura toda feita em aço trazido da Europa e com projeto original de Gustavo Eiffel. Sim, o mesmo Eiffel que projetou e construiu a famosa torre de Paris.

O Mercadão de Manaus ficou fechado de 2006 a 2013 para o restauro técnico e científico. Uma obra de sete anos para reestabelecer a originalidade e beleza de seu estilo Art Nouveau.

Mãos da restauradora
Divulgação

Aqui em São Paulo, trabalhando desde agosto no restauro dos edifícios do Jockey Club de São Paulo, Alex comemora sua primeira obra na capital paulista. Alojada em um grande quarto com seus colegas, 12 rapazes, a moça não se encabula. “Antes de trabalhar com ferro, era atendente numa pizzaria em Manaus. Prefiro lidar com a aspereza e resistência das peças de ferro do que com o público”, lembra a piauiense de nascimento.

Mais um normal na vida de Alex Sandra
Divulgação

Alex diz que entrou no ramo meio que por acaso. “Fui ao Senai, onde queria fazer um curso. Havia o de serralheria e foi o que fiz”, conta ela. Sobre as mãos grossas e de unhas quebradas pelo trabalho duro, Alex diz não se importar. “Nunca fui mesmo de fazer as unhas”, conclui.

A personagem está disponível para entrevistas e participação em pautas sobre a inclusão feminina dentro de mercados prioritariamente masculinos.

Alex Sandra em reforma do Jockey Club de São Paulo
Divulgação

Sobre o Jockey Club de São Paulo

Fundado em 14 de março de 1875 sob o nome de “Club de Corridas Paulistano”, ainda no bairro da Mooca, o Jockey Club de São Paulo se mudou para o Hipódromo Cidade Jardim em 1941, onde hoje ocupa uma área de 600 mil m² às margens do Rio Pinheiros, na cidade de São Paulo. O clube é aberto ao público e oferece atrações como corridas de cavalo, eventos, restaurantes, bares e áreas de caminhada.

O projeto arquitetônico do Jockey Club de São Paulo foi feito pelo brasileiro Elisário Bahiana, sendo mais tarde alterado pelo arquiteto francês Henri Sajous. Atualmente, o Jockey Club de São Paulo passa por um processo de completo restauro de suas instalações, tombadas pelo patrimônio histórico.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

News

Kevi Jonny lança “Dane-se”

Published

on

Faixa que mistura trap com sertanejo é a nova aposta do artista e chega no dia 14 de maio
 
Passado pouco mais de um ano do DVD gravado em Salvador em março de 2020, Kevi Jonny vem lançando, de tempos em tempos, faixas desse álbum. Além de alguns feats com Pablo, Tierry e Priscila Senna, ele aposta, também, em misturas de gêneros e por isso, no dia 14 de maio, desembarca em todas as plataformas digitais: “Dane-se”. Com trap e sertanejo, com direito a vídeoclipe em 3D, a parceria com Rafinha Rsq, famoso por hits como “Foi pa pum” e “Loka” (Simone e Simaria), “Santinha”(Léo Santana), “Ô bebê”(Kevinho e Kekel), “Apaixonadinha”(Marilia Mendonça e Léo Santana), entre outras, promete levar o cantor a outras dimensões.
“Estou muito feliz com tudo que vem acontecendo em minha carreira. Mesmo na pandemia, sem shows, estamos produzindo bastante para a galera que vem consumindo o meu trabalho, nos streamings. “Dane-se”, é o que acredito muito. Misturas de gêneros, de ritmos e sons pra envolver e conquistar uma legião de pessoas”, afirma Kevi.


A letra fala de uma carência em relacionamento amoroso que terminou, mas que dane-se: “Dane-se que você não tem mais sentimento, eu aceito ser seu love de momento, Dane-se que eu sou seu passatempo, se der conta do recado, eu dou conta do sofrimento”.
Confira, dia 14 de maio: “Dane-se” em todas as dimensões do sucesso.

Continue Reading

News

Segundo lançamento internacional do cantor Dela Fiori já tem previsão

Published

on

“Be on the top” promete trazer uma mensagem sobre temas pertinentes da atualidade

Dela Fiori continua em ritmo frenético em 2021.

Logo após assinar contrato com a Ingrooves no ano passado e lançar seu primeiro hit internacional em janeiro deste ano, o cantor não se permite diminuir o ritmo, e os fãs agradecem.

Os trabalhos não param, e mesmo com a gravação do primeiro clipe internacional já iniciada, Dela tem lançamento novo no gatilho. 

O próximo single, nomeado “Be on the top”, trata de autoconhecimento, aprendizagem e autoconfiança, e promete trazer uma mensagem pessoal e pertinente ao ouvinte.

Continue Reading

News

Mangaba abre as portas em Moema

Published

on

Sob o comando do chef Antônio Albaneze, o restaurante valoriza a combinação e a origem dos mais diversos ingredientes brasileiros com técnicas de alta gastronomia no preparo dos pratos

“Coisa boa de comer” – esse é o significado da palavra mangaba, que deriva do tupi-guarani. Levado a sério pelo chef executivo Antonio Albaneze, o lema do novo restaurante de São Paulo, recém aberto em Moema, se aplica a qualquer pedida de seu menu, cuja proposta é valorizar os mais diferenciados ingredientes de todos os cantos do Brasil. Um lugar para descobrir novos sabores e texturas, explorar os sentidos e expandir o paladar, com pratos que são preparados com técnicas de alta gastronomia, mas apresentados de forma despretensiosa em um ambiente acolhedor e charmoso.

Localizado em frente à entrada arborizada de uma pequena vila fechada, a experiência torna-se ainda mais agradável, sendo ela realizada dentro do salão principal, da sala nos fundos ou ainda da varanda externa. Nela, é possível ficar ainda mais perto do jardim e ainda levar o pet – esses, inclusive, muito bem vindos à casa.

Sabores do Brasil

A origem do chef, na região central do país, sua experiência e sua inventividade na combinação de insumos brasileiros, possibilita que o Mangaba realize esse encontro de sabores e de ingredientes em cada prato. São todas receitas autorais e cheias de afeto, com algumas saídas diretamente do caderninho escrito à mão pela avó de Antônio.

O couvert traz um composto por Conserva do peixe amazônico Charutinho, a picante flor de jambu, o autêntico patê de fígado de ave, azeitonas marinadas e maxixe em conserva (R$38). As carnes, fornecidas por duas empresas pantaneiras reconhecidas nacionalmente, levam ao Mangaba a inusitada carne de jacaré, presente em várias criações, como os Pastéizinhos de Jacaré com Cream Cheese (R$42 – 6 unidades) ou o Ceviche de Jacaré (R$32), e a carne orgânica pantaneira, de textura tenra mas sabor inigualável, presentes em pratos como o Ancho ao Chutney de Figo (R$68) e o Chorizo com Pirão de Leite de Cabra (R$66). A Isca de Arraia com Molho de Morango (R$34) ou o Bolinho de Arroz Carreteiro com Purê de Banana da Terra (R$8 – 1 unidade) também são opções para começar a experiência. Até as saladas ganham toque especial com o mix de Folhas verdes com Vinagrete de Tangerina e Castanhas Caramelizadas (R$38) ou os Grãos com Abóbora Glaceada em Melado de Cana (R$28). 

Entre os pratos principais, já tem sido o mais pedido o Peixe da época grelhado, em cama de banana da terra e redução de tangerina, finalizado com pimentas de cheiro picadas em fatias fininhas e crocantes e um arroz com brócolis (R$72); seguido também pelo Peixe ao Avium, peixe da época acompanhado pelo avium, menor camarão do mundo que, a despeito do diminuto tamanho, se destaca pela grandiosidade do sabor (R$76); a Moqueca de Jacaré, uma versão exótica e contemporânea da clássica moqueca, onde a carne de jacaré recebe o complemento tropical do caju e a crocância do amendoim (R$76); ou ainda o Rossini Pantaneiro com Piamontese, versão regional e abrasileirada do foie gras, sendo ele feito de filé mignon cozido lentamente em baixa temperatura, extraindo ao máximo toda a potência de sabores da iguaria (R$66).

Para os vegetarianos e veganos, a sugestão é a Moqueca de Banana da Terra. Consistente, o prato apresenta a maciez da banana cozida, a leve acidez do palmito, a suculência da carne do caju e o toque especial do amendoim torrado, acompanhados por arroz e farofa (R$58). Finalizam a experiência sobremesas como o Furrumdum, típica do Pantanal, um mamão verde ralado e cozido em rapadura com queijo coalho grelhado (R$16) ou o Sorvete de Leite de Cabra, feito em parceria com a vizinha Stuppendo, com leite de cabra, goiabada cremosa, trufas negras e pralinè de castanhas (R$28).

Durante a semana, também é possível pedir pelo Menu Executivo no horário do almoço, que oferece entrada, prato principal e sobremesa, por R$65, com opções diferentes a cada dia, informadas pela equipe do salão e pelo próprio chef, que está sempre atento à cada mesa, sugerindo e partilhando, mais do que sua técnica, suas histórias.

Carta de drinks à brasileira

Como não podia deixar de ser, o destaque da carta fica por conta da ampla seleção de cachaças assinada pela Moça Bonita Cachaçaria, todas artesanais e brasileiras, provenientes de pequenos produtores. Drinks clássicos como a caipirinha com combinações de frutas diversas, carta de vinhos e cervejas especiais não ficam de fora.

Experiências exclusivas

O projeto da casa leva a assinatura de Marcela Fazio, que além de sócia, é arquiteta. Suas escolhas trazem uma mistura divertida e elegante de cores para contextualizar a essência discreta do local, ofertando ao sabor do prato o principal chamariz.  

Logo na entrada, um salão amplo e térreo, com o balcão do bar à esquerda, que termina em um salão intimista com teto retrátil em estilo jardim de inverno. Ali é possível reservar o espaço para pequenos grupos de até doze pessoas vivenciarem a “Mesa do Chef”. “Fizemos questão de oferecer essa experiência gastronômica única, onde eu elaboro o menu especialmente para aquele grupo e em conjunto, ouvindo as vontades e desejos de cada um, arquiteto tudo”, conta o chef. “Além disso, eu também finalizo os pratos no mesmo ambiente em que eles estão, para que acompanhem o processo e assim possamos compartilhar histórias, curiosidades de cada receita ou ingrediente e, principalmente nossas vivências”, finaliza Antonio.

Também é nesse espaço que fica o Matula do Mangaba – outra palavra bem brasileira, que traduz as tradicionais bolsinhas de pano improvisadas onde se leva comida -, um pequeno empório para venda de alguns dos produtos que são utilizados no cardápio, desde as carnes exóticas até as geleias especiais e as cachaças brasileiras, algumas encontradas exclusivamente no Mangaba.

Serviço – Mangaba
Endereço:
 Rua Canário, 1301 – Moema – São Paulo – SP
Telefone: (11) 97597-6171
Capacidade: 40 pessoas
Delivery:
 IFood e UberEats
Horários de Funcionamento (sujeitos à alterações durante a pandemia – verificar no perfil do instagram):
– Segunda a domingo: das 12h às 20h
Formas de pagamento: Visa, Master, Amex, Alelo, Sodexo
Instagram: @mangabarestaurante
Site: www.mangabarestaurante.com.br

Continue Reading

Destaque