Conecte-se conosco

Gente

Marina Brum e Rute Rocha são as estrelas do Especial 2021

Publicado

em

Marina Brum e Rute Rocha são as estrelas do Especial 2021 Bella da Semana!

Acesse www.belladasemana.com.br

Finalmente chegou o momento mais aguardado do ano para os fãs do Bella da Semana. Marina Brum e Rute Rocha se encontram para comemorar a chegada de 2022 da maneira mais gostosa possível no ensaio especial de fim de ano.

Após a divulgação dos ensaios solos das Bellas, nesta semana a maior revista masculina do Brasil divulga a primeira parte das fotos com as duas modelos. Confira no www.belladasemana.com.br

 

Continuar Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gente

A Galeria E.Mardine Arte apresenta a exposição ‘Os Mardines’, no Shopping Cassino Atlântico, trazendo uma correspondência plástica entre pai e filho, a partir de 16 de junho

Publicado

em

A Galeria E.Mardine Arte abre a exposição “Os Mardines”, com pinturas dos artistas Edson Mardine e Edson Mardine Junior,  pai e filho, trazendo uma correspondência plástica, uma união de raízes profundas baseadas na admiração mútua, porém respeitando cada aprendizado individual em suas obras. Formas geométricas de cores marcantes ao lado de abstratos azuis que lembram o movimento do mar, obras inéditas e outras pertencentes ao acervo, estarão expostas nos corredores e na galeria 309, no 3º piso do Shopping Cassino Atlântico, com curadoria de Luiz Antonelli, a partir de 16 de junho.
 
 

Texto crítico – “O Mar que os une”


Edson Mardine

Por toda a história, assistimos a vidas que compuseram potentes obras. A arte sobrevive a diferentes formações, a mãos, olhares, espíritos de tempo. Hoje, encontramos olhares que se mostram cada vez mais atentos a identidades que incorporaram, sobretudo, a ideia de liberdade como força da alma do artista.

Deparamo-nos com a obra de Edson Mardine, artista que iniciou sua carreira no campo dos empreendimentos, sem perder de vista o interesse pelo universo da arte. Ao longo de seus 80 anos, colecionou diversas viagens pelo mundo e, com seu olhar atento, construiu um vasto capital cultural. Na busca por uma experiência com a visualidade, alimentou sua presença em acervos de museus de países pelos quais andou e suas culturas.

O interesse pelas artes o transformou em um colecionador que vem adquirindo obras importantes da nossa história ao longo de seis décadas. Em termos curatoriais, seu olhar artístico para composição de acervo é fascinante: sua coleção é plural e extensa, exibindo o diálogo forte entre as obras que, juntas, assumem um sentido poderoso. Neste acervo, encontramos autorias que exibem trabalhos conectados a uma plasticidade figurativa incorporada de noções das modernidades que eclodiram ao longo de diferentes períodos, tais como Anita Malfatti, Portinari, Di Cavalcanti, Lasar Segall, ou de artistas que fluíram por uma perspectiva mais abstrata, como Burle Marx.

Percebemos como a conexão com o mundo dos leilões e o exercício de pensar uma coleção atuaram na consolidação do olhar do artista em sentidos mais amplos, funcionando como uma espécie de formação do olhar. Elemento percebido nas conexões que sua produção apresenta com tradições de representação. Mardine se transforma em um colecionador plástico, mas não só: coleciona também experiências de vida e memória, uma árvore genealógica permeada de diálogos com culturas distintas, compondo uma identidade artística consistente.

Em termos estéticos, notamos em seu trabalho o apreço por uma pincelada forte que se desenvolve de modo alongado ou breve, culminando numa força vigorosa da ação em tela. Este elemento iconográfico nos aponta movimentos que se inserem em tradições mais abstratas, sem, no entanto, se distanciar de uma ideia de composição muito presente nas pinturas de artistas que nascem de uma formação acadêmica e se dedicam ao gênero de representações de paisagem, por exemplo. Essa combinação de perspectivas e influências remonta a um diálogo entre o mundo figurativo e o abstrato.

É importante destacar essa força como o elemento que nos guia e conduz nosso olhar por sua extensa produção; por mais que sua obra apresente uma pincelada mais solta, não é a geometria que sustenta a sua pintura, e sim a fluência do nascimento das formas. Nesse ponto, não podemos perder de vista como o pensamento construído enquanto colecionador reflete em suas obras de arte, reafirmando a ideia de aproximação do espaço entre dois mundos: o tangível e o sensível.

As obras que exibem abstrações azuis, quando colocadas juntas, refletem um grupo poderoso de telas que apontam para significados sólidos e pensam a força da tradição de pintores que vieram antes dele – e, mais uma vez, notamos a força da influência das modernidades. Na acrílica sobre a tela, a mistura do azul vai ganhando gradações intensas e variadas que, ao se fundir a tons mais claros e escuros, encontram verdes ou, ainda, outras feições cromáticas, ultrapassando a racionalidade que ganha significado inserida na ideia de certa frieza emitida pelo tom azul. Os sentidos reverberam e invadem um universo mais etéreo e espiritual que é apresentado por meio das cores artificiais, aludindo a mundos imaginados, ao mundo dos sonhos e dos símbolos que beira a significações de uma mística, transformando formas visivelmente abstratas em sentidos capazes de ultrapassar o mundo do que pode ser visto.

Chegamos ao território fértil da abstração e sua capacidade de representar o invisível, de tangenciar o mundo sensível, de ultrapassar tudo o que pode ser visto e nos colocar diante da ideia cuja forma possível de expressão, muitas vezes, não pode ser encontrada no campo das palavras. Estamos falando de sentimentos vislumbrados em tela. A pincelada que desliza sobre a tela toca outra pincelada que a sobrepõe e forma, nesse movimento, um emaranhado de sentidos que fluem e impactam à maneira como respiramos ou sutilmente nos portamos diante da imagem. Todas essas pequenas sutilezas são atravessadas em nosso corpo.

Aqui evoco Arthur Rimbaud, que nos lembra: “Il s’agit d’arriver à l’inconnu par le dérèglement de tous les sens”. O poeta simbolista francês nos comunica, por meio de seu pensamento filosófico e, por que não, psicanalítico, aquilo que a arte clama por dizer; traduzindo: trata-se, portanto, de atingir o desconhecido pelo desregramento de todos os sentidos.

E, nesse mar de pinceladas desregradas, formatamos, enquanto observadores, figurações construídas a partir da nossa capacidade individual de dialogar com as cenas, ou melhor, com as pinceladas, ou melhor ainda, com a representação do mar. Nosso olhar armado de uma subjetividade própria captura a ideia de furor e movimento; da ação; da correnteza do mar, capaz de conduzir corpos, ou dos céus e seus mistérios… vá saber. A aproximação dessas duas produções plásticas conecta não somente pinceladas, mas, sobretudo, aproxima os cursos de duas vidas.

Mardine Júnior

Até o início dos anos 60, as obras de arte pertenciam a basicamente duas categorias: pintura e escultura. Michael Archer aponta que, durante essa década, outros formatos desafiavam esse “duopólio”; na atualidade, é possível perceber como essas práticas exerceram força sobre o universo das formas, levando a expressão artística contemporânea a um espectro amplo.

O pensamento artístico de Mardine Júnior nasce da amplitude desse mar de influências contemporâneas que se tornaram solo fértil da consolidação de um gosto que o acompanha por diferentes fases da vida. Na infância, já se aventurava pelo campo da abstração e construía um universo lúdico próprio por meio de experimentações plásticas de formas abstratas. No início da fase adulta, flertou com o universo da música, sem, no entanto, se desconectar do interesse pelas experiências plásticas.

Iniciou sua carreira com a formação em Direito e, posteriormente, se aprofundou nos estudos sobre filosofia, o que proporcionou um pensamento intelectual que o levou a uma carreira no campo dos empreendimentos. Mantendo seu interesse pelo universo das artes, cultivou como hábito longas caminhadas por museus de diferentes lugares do mundo, ampliando seu capital cultural. Transformou-se em um colecionador de importantes obras de arte e reúne um coerente e forte grupo em sua coleção que também funciona como uma espécie de força motriz na direção da formação de seu olhar artístico.

Em meio ao mar revolto em que o mundo se transformou durante o período pandêmico, o infortúnio culminou em uma união de Mardine Júnior e seu pai, que, juntos, compartilhando do mesmo ateliê, uniram a força de suas pinceladas expressivas e viscerais. Esse ato é responsável por despertar o retorno das mãos do artista para o universo da criação. Passou a se dedicar a explorar o mundo da abstração, voltado para experimentações que visam um aprofundamento em estruturas geométricas e desenhos que apresentam um grafismo forte. A partir de técnica mista, experimenta a força da acrílica sobre a tela, revelando uma produção que exibe um diálogo cromático de tons ocre, cores primitivas nascendo de pinceladas mais curtas, por vezes extensas.

Inserido no universo geométrico, o artista retoma o sentindo de outro tipo de mar: o mar do concreto que impera pelos contornos das ruas das cidades e exibe formas rígidas, o mar das estruturas de grades, o mar das ruas e de pessoas que nelas transitam. Em seu trabalho, é possível perceber um interesse por movimentos artísticos que se aprofundaram em uma abstração específica de um aspecto matemático das formas, conectado, por exemplo, ao vanguardismo exibido pelos artistas da Bauhaus e suas conexões com o universo da arquitetura.

Como um flâneur, termo derivado do pensamento do poeta Baudelaire, o artista se apresenta como uma figura andante pelas multidões; flanante, explora o espaço urbano e dele extrai observações. Nessas explorações, seu olhar artístico se faz guia de seu espírito e o leva ao interesse por objetos que se fundem a suas produções, reverberando na mistura da técnica.

Dessa narrativa, nasce a obra que se transformou numa espécie de norte para essa curadoria. O conjunto de sancas nos faz lembrar da força compositiva tão presente nas obras de artistas do movimento decadentista do fin-de-siècle. A presença do tempo ganha vida e força, dialogando com o ocre, marrom, dourado e com pinceladas soltas do plano de fundo sépia. As estruturas da composição estão presentes e exibem o vigor geométrico que se dilui e se conecta ao pensamento de quem observa. Mais uma vez, percebemos a aparência da abstração como fio condutor do mar de percepções e protagonista do diálogo das formas.

Ao observar a vastidão de sua produção, notamos que os tons terrosos vão aumentando a sua temperatura, e a consolidação no universo cromático se dá sem perder de vista uma espiritualidade invisível na vidência das formas. A forma repete a estrutura compositiva de grades e conecta os aspectos geométricos a símbolos que ultrapassam a cena, dialogando, assim, com a obra de seu pai, com os sentimentos subjetivos de quem observa, por meio da forma que se modifica e passa a representar cores mais diversas e plurais.

Historiadores da arte escrevem sobre a existência de uma vida própria das obras. Neste pensamento, as mãos do artista ganham uma espécie de força de uma inteligência própria, o que amplia o universo da arte, uma vez que não estamos mais falando apenas do pensamento e intenção dos artistas, e sim do pensamento da obra enquanto sujeito e do que esse coletivo de indivíduos plásticos pode, junto, representar.

As obras de arte emitem sinais em seu universo particular e se comunicam entre si, estabelecem diálogos, e nós, como público, assistimos ao poder dessas imagens em imprimir sentimentos em cena. E assim, portanto, passamos a interpretar e discorrer acerca do pensamento do objeto e das emoções que ele suscita em nós. A inteligência das mãos dos artistas constrói narrativas abstratas que conectam a arte a um histórico.

Nesta exposição, temos a oportunidade de observar, lado a lado, um diálogo formidável entre a produção plástica de dois artistas. Por meio do fluir da força da cor, da abstração, da pincelada visceral capaz de colocar sentimentos em forma, somos conduzidos ao movimento que se constrói e deságua num mundo próprio criado por pai e filho, que faz parte desse MAR que os une – pelo nome, pela arte, pelo sangue e pela vida.

 

Brenda Martins de Oliveira


Sobre  Edson Mardine


Edson Mardine inaugura sua carreira no campo dos empreendimentos e se dedica ao longo de seus 80 anos como colecionador de arte. Seu interesse pelo universo da arte o levou a variados museus por diversos países do mundo o que colaborou ricamente para a construção de um olhar apurado, uma coleção de arte plural e consistente com nomes de grande importância para a historiografia da arte.

O olhar artístico que começou a ser construído, enquanto colecionador, culminou em um artista plástico de produção voraz e pinceladas viscerais. A partir da acrílica sobre tela é possível perceber uma técnica que se aproxima das experimentações plásticas de artistas contemporâneos, sem perder de vista a força de um histórico de pintura que se inserem em diferentes tradições, sobretudo, a de representações de paisagens.

Nesta exposição o artista apresenta 10 obras em acrílico sobre tela, que refletem a força de sua pincelada abstrata, nos conduzindo a narrativas próprias em diálogo com nossas emoções. Além dessas, serão expostas  mais 20 obras que fazem parte do acervo da galeria.

Sobre Edson Mardine Junior



Mardine Júnior inicia sua carreira a partir da formação em Direito e, posteriormente, especialização em Filosofia, permitindo-lhe um pensamento intelectual e o levando a construir uma carreira no campo dos empreendimentos. O gosto pela arte sempre o acompanhou em diferentes fases da vida. Ainda quando criança, o artista já se aventurava pelo campo da abstração e construía um universo lúdico próprio por meio de experimentações plásticas de formas abstratas, o que na fase adulta o levou para uma imersão maior no universo da música.

O gosto pela abstração e o apreço pelo colecionismo são características que herdou do pai, uma vez que o artista, da mesma forma, constrói um olhar artístico apurado a partir de diversas visitas a importantes acervos museológicos em vários países. Sendo um colecionador de obras de importantes nomes da nossa historiografia da arte.

Como artista plástico,suas produções nascem do interesse por movimentos artísticos que se aprofundaram na abstração e geometrização de formas, como a Bauhaus e suas conexões com a arquitetura. O artista retoma seu contato com a pintura durante a pandemia no ateliê ao lado do pai. Apresentando uma similar força visceral visível em suas pinceladas, no entanto, se dedicando a explorar com mais profundidade o universo da geometrização dos desenhos que apresentam um grafismo forte. Por meio de técnicas mistas e sobretudo, acrílico sobre tela, observamos nesta exposição 10 obras que apresentam um formidável diálogo cromático, perceptível em outras 20 obras do artista que também fazem parte do acervo da galeria.

 

 

 

Exposições individuais

Galeria Maria de Lourdes Mendes de Almeida – Ipanema RJ (Cândido Mendes) – 19 de janeiro a 28 de abril

Pequena Galeria, Rua da Assembléia 10 – Centro RJ (Cândido Mendes) – 15 de março a 15 de junho

Sobre o Shopping Cassino Atlântico



O Cassino Atlântico era um dos cassinos que ficavam na praia de Copacabana. Durante a década de 1930, jogos de bacará, campista, roleta, black jack e carteado atraíam a sociedade carioca e pessoas de outras cidades (do Brasil e do mundo) ao local. O prédio do antigo Cassino Atlântico foi demolido nos anos 1970 para dar lugar ao novo hotel. Muitos momentos históricos foram vividos no Cassino, entre eles, os shows de Carmem Miranda, que era presença certa no local.


O Shopping Cassino Atlântico foi criado há cerca de 40 anos e abriga, em sua maior parte, lojas de antiguidades e galerias de arte, que trazem artistas consagrados no Brasil e no exterior. Passada a pandemia, o local reinventou-se e apostou na diversificação, com restaurantes, coffee shop, eventos em seus corredores, abertos aos hóspedes do hotel e ao público em geral. Sofisticação e conforto, entre o mar e a arte, em um só local, que vai agradar aos mais exigentes!

Instagram: @cassinoatlanticoshopping 

Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem

 

Serviço

Exposição: ‘Os Mardines’

Nome dos artistas: Edson Mardine e Edson Mardine Junior

Curadoria: Luiz Antonelli

Apresentação critica: Brenda Martins
Coordenação técnica: Beth Padula
Coordenação de Acervo: Jéssica Matta

Fotografia e marketing: Estação Criativa

Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem

Data de abertura: 16 de junho a partir das 17h

Data de visitação: 17 de junho a 15 de julho de 2023

Local: Galeria E.Mardine Arte (loja 309) e corredores – 3º piso

Instagram: https://www.instagram.com/emardinearte/

Site:  https://emardinearte.com.br/

Shopping Cassino Atlântico – Av. Atlântica, 4.240 – Copacabana, RJ

De segunda a sexta, das 9h às 18h e sábado das 9h às 17h

 

Continuar Lendo

Gente

Artelassê, especializada em enxovais de cama e banho, fala sobre as vantagens de se ter uma noite de sono com algodão Pima

Publicado

em

Qualidade e sustentabilidade das peças consolidam a empresa no mercado têxtil.

 

Este ano, a Artelassê inaugurou a décima loja da marca, no Shopping Cidade Jardim (SP), em um espaço dedicado à arquitetura e ao design, denominado de “Home & Decor”, e a terceira loja do Rio de Janeiro, no Shopping Leblon.

Há 39 anos, a Artelassê realiza um trabalho totalmente artesanal, sofisticado e rico em detalhes e acabamentos, que seguem as principais tendências mundiais em roupas de cama. Todos os produtos confeccionados com alta qualidade desde a matéria prima a tecnologias no processo, sustentáveis, com os melhores tecidos do mercado, como o algodão egípcio e o algodão pima. Dois tipos de algodões nobres do mundo. O parque fabril conta com profissionais altamente qualificados que produzem peças únicas, que traduzem “o amor ao primeiro toque”.


Se a noite faz o seu dia, investir no melhor enxoval para sua família faz toda a diferença. O algodão é um dos tipos de tecidos mais comuns que encontramos em peças de roupa, cama e banho. No entanto, há diversos tipos de algodões. Entre eles, podemos destacar o algodão Pima, que tem sido uma opção cada vez mais procurada pelas pessoas por suas diversas vantagens, principalmente em relação à qualidade e durabilidade de sua fibra. No entanto, ainda há muitas pessoas que não conhecem a origem dessa fibra e seus diferenciais.

Sobre o algodão Pima – origem e características

O algodão Pima é o algodão produzido a partir da Gossypium Barbadense, planta que cresce como um pequeno arbusto com flores amarelas e sementes pretas. É essa planta que vai originar uma cera natural que reveste as fibras desse algodão, oferecendo um brilho natural e maior suavidade ao tecido. Muitos especialistas consideram esse tipo de algodão o melhor tipo de algodão do mundo.

Acredita-se que o algodão Pima Peruano tem sua origem há mais de 5 mil anos nessa região. A planta é cultivada na região da Piura, área de vale do Rio Piura, ao norte do deserto de Sechura, a 981 km ao norte de Lima, sendo próximo à fronteira com o Equador. Esse local é escolhido devido à proximidade com o deserto de areia e as montanhas andinas, localidade que apresenta temperatura média anual de 34.2º C. Além disso, essa região é conhecida por receber duas correntes oceânicas ao mesmo tempo: a corrente fria de Humboldt (13-20°C) e a corrente quente El Niño (20-27°C). Esse contexto faz com que a cultura do algodão seja ideal no Peru, proporcionando o nível de umidade perfeita para a produção do Gossypol. É importante destacar que o algodão peruano não significa ser Pima. Somente pode ser considerado Pima caso tenha esse nome.

Em relação aos diferenciais sobre plantio e colheita, a planta que dá origem a esse algodão é também conhecida por possuir propriedades antifúngicas. Ou seja, ela é naturalmente resistente a insetos o que faz com que se elimine a necessidade do uso de pesticidas e agrotóxicos para o seu cultivo. Uma outra característica relevante diz respeito a sua colheita, que acontece de maneira manual. Isso é muito importante para não danificar a fibra extra-longa do algodão.

Algodão Pima: por que ele é diferenciado?

O algodão se destaca, principalmente, pela qualidade de sua fibra. No mercado, existem quatro classificações dadas às fibras de algodão. Todas são baseadas na extensão, em milímetros, do algodão. Elas podem variar entre extra longas, longas, médias e curtas. O Pima se destaca justamente por ser a fibra mais fina e mais longa que existe. As fibras extra longas (FEL) são consideradas as melhores pois demandam menos “emendas” no momento da fiação. Menos emendas significam também menos nós, o que também reduz a chance de rompimento da fibra. Essa característica, portanto, vai fazer com que esse tipo de algodão seja mais forte e íntegro do que os outros tipos. Além disso, o Pima não só oferece mais qualidade, como também é um dos tipos mais resistentes e fáceis de ser cuidado.

Um tecido respirável é todo tecido que permite à pele respirar sem deixar que ela superaqueça. Diferente dos tecidos sintéticos, esse tipo de algodão oferece tramas respiráveis que vão facilitar as trocas de ar entre a pele e o meio ambiente. Ao permitir a respiração natural, o tecido também consegue evitar alergias. Isso é essencial principalmente quando se trata de peças que iremos ter contato por várias horas seguidas. Sendo assim, uma das vantagens do Pima é o fato de ser um tecido respirável.

As peças de cama feitas a base de Pima também são conhecidas pelo conforto que oferecem devido ao fato de serem extremamente leves e suaves ao toque. Devido a sua maciez, conforto e qualidade, é comum encontrar o algodão Pima em diversos tipos de itens, principalmente as roupas para vestir sua cama, como é o caso de fronhas, duvets e jogos de lençol. Um ponto importante sobre peças feitas desse tipo de algodão é não ser preciso de um cuidado muito especial. Embora ele seja um material bastante leve, trata-se de um tecido muito resistente.

O Pima é considerado um tipo de material mais nobre, por isso, costuma ter valores mais altos em relação ao algodão tradicional. No entanto, isso pode representar também um melhor custo benefício, principalmente quando falamos em roupas de cama. Ou seja, embora seja mais caro, tecidos com Pima vão ter uma durabilidade muito maior em relação a outros materiais do mercado

Continuar Lendo

Gente

Goodfellas aposta em tecnologia para aperfeiçoar a prática do jiu-jitsu

Publicado

em

Imagine, com apenas um clique, desafiar lutadores de jiu-jitsu de todo o mundo e encontrar professores qualificados para treiná-lo, tudo isso sem sair de casa. Essa é a proposta do Goodfellas (www.goodfellas.app), plataforma de referência para quem busca desafios e evolução no jiu-jitsu, conectando praticantes e instrutores qualificados de todo o mundo, para ampliar horizontes e aperfeiçoar técnicas.

“O nome Goodfellas foi inspirado em uma gíria estadunidense utilizada para fraternidade. E essa é a nossa missão, unir amigos que querem praticar o esporte, possibilitando essa integração de qualquer lugar em que estiver, não só na academia. Queremos aumentar nossa comunidade no país utilizando a tecnologia para tornar o jiu-jitsu mais democrático e também uma fonte de renda para lutadores profissionais ou amadores”, explica o CEO, Rodolfo Barcellos, professor de jiu-jitsu, tricampeão mundial de Grappling WTKA e atleta profissional de MMA.

E para reunir os amantes desta arte marcial, que segundo levantamento realizado pela Wonder – plataforma especializada em pesquisas – são quase 3 milhões de pessoas ao redor do mundo – especificamente 2.945.240 – Barcellos, ao lado de seu sócio e CTO do app, Lucas Fernando Amorim, apostaram no tripé tecnológico formado por Big Data, Inteligência Artificial e redes sociais, para oferecer uma plataforma intuitiva e personalizada para melhorar sua prática de jiu-jitsu.

“Nossa empresa tem o objetivo de combinar tecnologia e jiu-jitsu para criar impacto positivo na vida das pessoas. Utilizamos dados de treinamentos para aprimorar nossas aplicações de Inteligência Artificial, que podem ser usadas em vários campos, como segurança, jogos e saúde. Além disso, oferecemos uma plataforma social que conecta praticantes e permite que os professores monetizem suas aulas e aceitem desafios”, conta Amorim, que combina a esse projeto toda sua expertise, adquirida liderando a BIPBOP, sistema de busca jurídica adquirido pela Jusbrasil, a maior plataforma jurídica do mundo.

Solução para empresas

Outro público que o Goodfellas também atende são as academias e professores de jiu-jitsu, para os quais atua como um braço digital, os conectando às suas comunidades locais e clientes em potencial. Além disso, o aplicativo inclui uma rede social que possibilita uma avaliação 360 graus, com monitoramento do desempenho dos alunos realizado pela comunidade, permitindo assim a otimização da rotina de treinamentos, melhora do desempenho e gerenciamento dos resultados.

“A Goodfellas é a revolução do jiu-jitsu. Com nosso aplicativo híbrido, unimos o mundo digital e o físico para tornar a prática da arte marcial mais acessível e eficiente. Nossa tecnologia de inteligência artificial e Big Data ajuda os praticantes a aprimorar suas habilidades e conectar-se com a comunidade, enquanto as academias e professores podem monetizar suas aulas e gerenciar seus resultados. Juntos, estamos transformando o jiu-jitsu em uma experiência mais completa e impactante para todos os envolvidos”, afirma Barcellos, que além de CEO do Goodfellas é mentor de atletas e instrutor de jiu-jitsu para policiais da New York State Police Academy.

Modernização do Jiu-Jitsu 

Que o Brasil é uma referência no esporte isso é indiscutível, mas, falta investimento em tecnologia para o desenvolvimento de atletas, o que pode colocar essa hegemonia em risco, como levantou o lutador de MMA Gordon Ryan no podcast Joe Rogan Experience: “as pessoas que têm mais [acesso à] tecnologias, vão acabar vencendo com o passar dos anos. Então, o maior problema para o Brasil é que a tecnologia que nós temos são os vídeos instrutivos, as minhas instruções custam US$ 250 dólares, isso são R$ 1000 no Brasil. Eu tenho 20 vídeos. Então, você realmente vai conseguir alguém no Brasil que vá gastar R$20 mil reais com os meus vídeos? Muita gente no Brasil não tem esse dinheiro e não tem recursos financeiros para comprar essa tecnologia”, afirmou.

Mas, com o Goodfellas essa questão será resolvida pois o aplicativo vai além de vídeoaulas, oferecendo uma solução completa que utiliza inteligência artificial e aplicações sociais para analisar a melhor movimentação, execução de golpes e técnicas. Além disso, ele permite a conexão com outros praticantes e academias, criando um ambiente interativo e presencial para a prática do jiu-jitsu. Com o Goodfellas, treinadores e praticantes no Brasil agora têm acesso às melhores ferramentas e recursos para otimizar seu desempenho e alcançar seus objetivos no esporte.

Onde baixar

O app é gratuito e será lançado este mês Google Play ou App Store, mas, os interessados podem solicitar seu convite pelos sites ‘www.goodfellas.app’ para acessos internacionais e ‘www.goodfellas.com.br’ para acessos nacionais.

Rodolfo Barcellos
Spartacus Breches

Sobre os sócios

Rodolfo Barcellos, CEO do Goodfellas

Rodolfo Barcellos, 38 anos, é administrador de empresas e faixa preta de jiu-jitsu 4 graus, esporte que pratica desde os quatro anos de idade. Como atleta de jiu-jitsu e MMA acumula uma série de títulos: é tricampeão mundial de Grappling WTKA, bicampeão do NAGA (North American Grappling Association), tricampeão da CONFBEC e campeão sulamericano WTKA, CBJJE e do São Paulo Open CBJJE.

Também é mentor de atletas de jiu-jitsu e MMA , além de ministrar aulas do esporte para policiais de Nova York e do estado de São Paulo.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/rodolfo-destro-barcellos-8a447094

 

Lucas Fernando Amorim, CTO do Goodfellas

Lucas Fernando Amorim, 32 anos, é um autodidata com mais de 10 anos de experiência em Tecnologia da Informação, com destaque para gerenciamento de projetos Big Data. Amante de jiu-jitsu, pratica o esporte há seis anos e hoje é faixa marrom.

É fundador da BIPBOP, uma empresa de Big Data para o setor Jurídico, responsável por criar e desenvolver sistema de busca jurídica com mais de 500 milhões de documentos, adquirida pela Jusbrasil, a maior plataforma jurídica do mundo.

O empreendedor já liderou projetos para Thomson Reuters, Softplan, Meta e Oi – para esta última desenvolveu um aplicativo que teve mais de 1 milhão de downloads.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/lfamorim/

Continuar Lendo

Destaque

Copyright © 2023 ocimar.com. Todos os direitos reservados.