Connect with us

Fique por dentro

“Em vários momentos pensei em desistir do Hugo Gloss”, revela Bruno Rocha em entrevista ao podcast de Thais Roque

Published

on

Convidado desta edição do “De Carona na Carreira” fala sobre um lado de sua vida que pouca gente conhece, a de empreendedor e CEO de uma empresa que emprega 30 funcionários diretos

Na atual edição do podcast “De Carona na Carreira”, a administradora Thais Roque recebe como convidado Bruno Rocha, um dos nomes mais importantes e influentes da internet com seu personagem Hugo Gloss. Acostumado a ser abordado como uma celebridade ou questionado sobre como é viver rodeado delas, dessa vez, a pauta da conversa foi sua carreira profissional e de empreendedor revelando até que, em alguns momentos, chegou a pensar em desistir da internet para seguir carreira na TV Globo, onde trabalhava na produção do Caldeirão do Huck.

É certo que, como alguém que vive da internet, os influenciadores digitais fizeram parte do papo e Bruno fez questão de fazer um alerta a quem tem planos de trabalhar com o mesmo meio: “seguidor não é independência financeira”.

“Eu acho que as pessoas associam a fama a dinheiro muito pela glamourização que existe em relação a isso. As pessoas pensam ‘eu vou ter muitos seguidores, vou ficar rico, vou ganhar muita coisa’, mas isso não quer dizer que você vai conseguir transformar aquilo em dinheiro de fato. Permuta não paga a conta, né?”, destacou. No entanto, acrescentou: “Dependendo da inteligência que a pessoa tiver para o business ela pode transformar uma coisa em outra, sim, mas ela precisa se estruturar como empreendedora, como uma empresa. Porque, chega uma hora que você deixa de ser uma pessoa e se torna uma marca”.

“Não me vejo como influenciador”

Bruno reforça que ele não é uma marca, ele criou uma marca. “Não me vejo como um influenciador, eu sou responsável por uma marca. Claro que meu rosto foi associado a ela ao longo dos anos, mas ela é muito mais do que eu. É uma equipe, um portal de muita credibilidade que foi muito difícil de construir. Eu acho que eu sou um profissional de comunicação, o que é diferente de ser influenciador, que são pessoas que transformam suas vidas em uma marca pessoal”.

Quando Thais pergunta o que Bruno e Hugo em tem comum, ele se diverte: “a gente tem a mesma cara (risos) e uma paixão imensa pelo trabalho”. E faz questão de destacar também uma diferença: “eu gostaria de ser tão feliz quanto o Gloss. Ele está sempre feliz, sempre sorrindo, e a vida a gente sabe que não é assim, né? É aí que a gente se separa, quando eu tiro a emoção e o Bruno se torna CEO de uma empresa”.

“Já tive muito problema com rejeição”

Apesar de se posicionar como um empresário e dono da marca Hugo Gloss, Bruno é uma pessoa pública e, como tal, está exposto aos julgamentos das pessoas, algo com o que ele aprendeu a lidar com tempo. “Já tive muito problema com rejeição, com coisas ruins, negativas, com o povo falando mal de mim. Isso me consumia, eu ficava triste de verdade. Hoje em dia, não, eu já me acostumei, não dou tanta importância”.

Sobre a cultura do cancelamento, Bruno não se assusta tanto e tem uma opinião bastante particular. “As pessoas públicas que sofrem cancelamento, são pessoas que estão produzindo muita coisa e ganhando muito dinheiro. Se você parar para pensar na Anitta, na Bianca Andrade (a Boca Rosa), são pessoas que já foram canceladas um milhão de vezes e continuam aí se reinventando, ganhando dinheiro, vendendo produtos, fazendo campanha. Você não pode se dar a importância que as pessoas estão dando, então a gente vai ganhando uma casca na vida que acaba virando combustível. Você sabe que passou por coisa pior, que você vai se levantar. Hoje em dia, na internet, qualquer cancelamento dura 30 minutos”.

“Não via o Hugo Gloss como trabalho”

Bruno conta que causou estranhamento e insegurança o fato de começar a ganhar dinheiro com algo que para ele era tão natural, um hobby.

“O Hugo Gloss nunca foi o que eu queria fazer de verdade. Para mim é uma coisa tão fácil, e tão da minha essência. Eu nunca olhei para aquilo e pensei que poderia ser um trabalho. Eu demorei muito tempo para entender, porque eu vivia em negação ‘isso não pode ser um trabalho, tá muito fácil’. Eu me culpava, eu dizia ‘não é possível, isso não pode estar acontecendo’”.

Seus planos eram outros, mas ele ainda não desistiu deles. “Eu tinha o sonho de escrever dramaturgia, eu ainda tenho. Eu falava em novela, hoje em dia não sei se precisa ser uma novela, pode ser uma série, alguma outra coisa. Esse é um lado muito do Bruno, eu não quero que o Gloss assine nada. Eu tenho várias ideias, mas hoje o trabalho me consome bastante, então vai ter um momento que eu vou ter que me afastar um pouco para colocar essas coisas em prática, tirar do plano das ideias e colocar no plano real”.

“Eu pensei que não precisava mais do Hugo Gloss”

Thais relembra que, enquanto Bruno esteve na Rede Globo ele tinha uma jornada dupla, trabalhava com o Luciano Huck e mantinha o Hugo Gloss ativo nas redes sociais. Um período que, para ele, foi muito complicado, já que o seu personagem na internet crescia rapidamente e ele fazia tudo sozinho.

“Foi muito difícil, em vários momentos eu pensei em desistir do Hugo Gloss, porque, como eu falei, para mim era como um hobby. Então, entre ter um trabalho e ter um hobby e ia escolher ter um trabalho. Meu plano de carreira naquele momento era a TV Globo, o Hugo Gloss tinha sido só um meio para eu chegar lá. Então, houve momentos em que eu pensei que não precisava mais dele”.

“Fui ameaçado de demissão”

“Logo que eu fui trabalhar na Globo eu tive vários perrengues, porque a rede social estava crescendo e eu fui trabalhar na maior emissora do país e, antes, eu falava tudo o que eu pensava na internet. Várias vezes fui chamado em sala de diretoria, fui ameaçado de demissão. Porque, de repente eu via uma cena de novela que eu não gostava e comentava ‘nossa, que cena mal feita’. Eu esquecia que eu era funcionário, pra mim eram coisas separadas. Na verdade, em um momento eu cheguei a ser demitido da TV Globo por conta da internet. Minha vida tinha acabado, eu chorava, fui para a casa da minha mãe dizendo que eu tinha estragado tudo, o meu sonho. Foi a época que eu pensei em desistir do Gloss”, revelou durante a entrevista.

Para dar conta da jornada dupla foram vários desafios. “Teve uma vez que eu fui fazer um trabalho em Roma pelo Hugo Gloss, eu ainda trabalhava na TV Globo, e o aeroporto de Roma pegou fogo. Cancelaram todos os voos e eu tinha uma gravação com o Luciano e a Angélica no dia seguinte. Eu tinha que chegar no Brasil. Dei um jeito, fiz várias conexões, cheguei do aeroporto direto para o estúdio.

“Chegou uma hora que eu tive que escolher”

Bruno acabou não desistindo do Hugo Gloss e, como quem acompanha sua carreira deve saber, ele acabou desistindo da TV, afinal, a internet passou a ser sua principal fonte de renda. “Chegou uma hora que eu tive que escolher ou eu ia começar a fazer uma coisa ruim. Ou ia fazer meu trabalho ruim na TV Globo ou ia fazer algo ruim na internet”.

Mas revela que a decisão não foi tão simples porque, não era só o dinheiro que estava em jogo, mas um sonho de infância. “Foi muito difícil para mim abrir mão daquilo, trabalhar na Globo era o meu sonho. Quando eu era criança eu falava que eu ia ser apresentador do Vídeo Show. Hoje eu tenho meu próprio Vídeo Show que é o Hugo Gloss.”

Hoje, ele tem certeza que optar pelo Hugo Gloss foi a melhor opção e que deve à ele muito de suas conquistas. “A coisa mais incrível que o Hugo Gloss me proporcionou foi conseguir a casa para a minha mãe, ajudar na criação da minha afilhada, poder trazer conforto para a minha família inteira, saber que, se tudo acabar hoje, a base está ali muito bem feita”.

Contudo, ele fez questão de dizer seus planos a longo prazo não se limitam ao Hugo Gloss. Tem o sonho de desenvolver um trabalho em dramaturgia assinando como Bruno. “Eu não quero ser Hugo Gloss para sempre, eu gosto muito de ser Bruno”.

Para conferir o papo na íntegra com esses e outros detalhes curiosos e divertidos da carreira de Bruno Rocha e seu personagem Hugo Gloss, ouça o podcast “De Carona na Carreira”, de Thaís Roque, no link: ‎De Carona na Carreira: 035. Da internet pro mundo – Bruno Rocha (Hugo Gloss) no Apple Podcasts

Sobre o “De Carona na Carreira” e Thais Roque

De carona na Carreira é um podcast apresentado por Thaís Roque com novas entrevistas todas as quintas-feiras. O programa conta sobre as mais incríveis jornadas profissionais, de executivos a celebridades, através de entrevistas e cápsulas rápidas, te levando para passear pelos caminhos percorridos por gente de sucesso, e mostra que o impossível é uma questão de ponto de vista.

Thaís Roque, a idealizadora e apresentadora do canal, formou-se em administração e passou oito anos tentando se encontrar em multinacionais como Nestlé, Pão de Açúcar, Symantec, Cruz Vermelha e Accenture em áreas diversas: Supply Chain, Vendas, Planejamento Estratégico, Recrutamento e Cultura Organizacional.

Para ela, a alegria de viver só acontecia após o expediente e foi em sua incansável busca por um significado a mais em sua vida que, em 2009, foi estudar gerenciamento de negócios e coaching por dois anos na New York University (EUA).

Em 2015 lançou o projeto #MeuPropósito que foi inovador ao trazer propósito como uma forma de trabalho, ganhou muito espaço na mídia e teve sua história contada em um trecho do livro de André Carvalhal, “Moda com Propósito”.

Em 2017 cursou no Disney Institute o curso de Qualidade de Serviço, uma das suas grandes paixões e, em 2020, criou o podcast “De Carona na Carreira”.

De Carona na Carreira

‎https://podcasts.apple.com/br/podcast/de-carona-na-carreira/id1524469541

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro

15 de maio marca o Dia Internacional de Conscientização das Mucopolissacaridoses.

Published

on

Estima-se que 13 milhões de brasileiros sofram com alguma doença rara; destas, apenas 4% possuem tratamento

Existem entre 6 e 8 mil doenças raras no mundo, entre elas as Mucopolissacaridoses (MPS).

O 15 de maio marca o Dia Internacional de Conscientização das Mucopolissacaridoses.

As MPS representam um grupo de doenças ultrarraras cujo diagnóstico em geral tarda muitos anos.

A Casa Hunter promove ações de conscientização e lança games para explicar a jornada do paciente.

São Paulo, 11 de maio de 2021 – Imagine que você tem um filho pequeno e que, à medida em que ele cresce, começam a ser observadas algumas diferenças no desenvolvimento em comparação com outras crianças. Você passa em médicos especialistas, faz uma série de exames, mas o diagnóstico final demora de 4 a 5 anos e, ainda assim, os desafios são inúmeros. Essa é, em geral, a jornada dos pacientes com doenças raras.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem de 6 a 8 mil doenças raras no mundo; destas, apenas 4% contam com algum tipo de tratamento e 30% dos pacientes morrem antes dos cinco anos de idade. No Brasil, estima-se que 13 milhões de pessoas tenham alguma doença rara¹.

Um exemplo são as Mucopolissacaridoses (MPS), doenças genéticas que fazem parte do grupo dos erros inatos do metabolismo. Nas MPS, a produção de enzimas responsáveis pela degradação de alguns compostos é afetada e o acúmulo destes no organismo do paciente, de forma progressiva, provoca diversas manifestações.

Entre as consequências das MPS, podem estar: limitações articulares, perda auditiva, problemas respiratórios e cardíacos, aumento do fígado e baço e déficit neurológico.

A incidência das Mucopolissacaridoses é de cerca de 1 para cada 20 mil nascidos vivos². De acordo com a enzima que se encontra deficiente, a Mucopolissacaridose pode ser classificada em 11 tipos diferentes de MPS3.

No Brasil, o tipo II, conhecido como Síndrome de Hunter, é o mais prevalente – são 0,48 para cada 100.000 nascidos vivos², com uma média de 13 novos casos ao ano. Ocorrendo quase exclusivamente pessoas do sexo masculino, a MPS II, sem o tratamento adequado, pode causar a morte do paciente já na segunda década de vida.

De acordo com dados da Rede MPS, entre os anos 1982 e 2019, foram diagnosticados 493 pacientes com a MPS tipo II, e essa doença pode ganhar um novo aliado no diagnóstico com a aprovação do Projeto de Lei que visa a ampliar as doenças que devem fazer parte do Teste do Pezinho realizado no âmbito do SUS.

Diagnóstico – Assim como nas demais doenças raras, as MPS são de difícil diagnóstico, uma vez que há múltiplos sintomas e muitos são comuns a outras patologias. O diagnóstico correto e precoce das MPS é fundamental para propiciar uma melhor qualidade de vida aos pacientes. Um teste do pezinho ampliado poderia detectar mais de 50 doenças, permitindo seu tratamento precoce e trazendo mais qualidade de vida aos pacientes.

Tratamento – A MPS não tem cura, mas com tratamento adequado é possível controlar a doença e aumentar a expectativa de vida do paciente. Segundo o geneticista e professor do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Dr Roberto Giugliani, a Terapia de Reposição Enzimática (TRE) foi um importante avanço no tratamento das MPS, embora tenha algumas limitações, como o fato de não penetrar no sistema nervoso.

“Novas enzimas capazes de cruzar a barreira sangue-cérebro permitem tratar as manifestações neurológicas a partir de uma enzima administrada na veia. A combinação dessas novas tecnologias de tratamento com o diagnóstico precoce, idealmente através do teste do pezinho, trará um ganho significativo na qualidade de vida dos pacientes com MPS”, explica Dr. Roberto Giugliani.

Casa Hunter promove ações de conscientização e lança games para explicar a jornada do paciente

O dia 15 de maio é marcado pelo Dia Internacional de Conscientização das Mucopolissacaridoses e a data tem como objetivo dar mais visibilidade à doença e disseminar informações para familiares, cuidadores, sociedade em geral e para a comunidade médica.

No Brasil, a Casa Hunter, ONG dedicada a apoiar pacientes que possuem doenças raras, em especial a MPS Tipo II, realizará a MPS Week, uma semana temática, com eventos online e ações de conscientização para aumentar o conhecimento sobre essa enfermidade.

“Nosso objetivo é aumentar o conhecimento a respeito da patologia, facilitando o diagnóstico e o tratamento dos pacientes. Somente dando visibilidade ao tema temos a oportunidade de advogar em favor dos pacientes”, explica Antoine Daher, presidente da Casa Hunter e da Federação Brasileira das Associações de Doenças Raras, a Febrararas.

Entre as ações organizadas pela Casa Hunter estão jogos virtuais desenvolvidos para mostrar o dia a dia de um paciente com MPS Tipo II, que de maneira lúdica, trazem informações sobre a doença.

Na “Jornada do Paciente”, o jogador é imerso na história de uma família que busca um diagnóstico para o filho doente. Já os games no estilo “Escape”, os participantes são desafiados a resolver enigmas e encontrar as pistas necessárias para chegar ao diagnóstico do paciente. Os games estão disponíveis nos links https://app.infogo.com.br/264f97 e https://app.infogo.com.br/306a50.

Além disso, durante a MPS Week serão realizados dois webinários com objetivo de auxiliar pacientes, cuidadores e familiares a lidarem com a nova realidade pós-diagnóstico e compartilhar as principais pesquisas em desenvolvimento sobre a MPS no Brasil, ambos no canal da Casa Hunter no YouTube.

No dia 12, a partir de 18h30, especialistas vão se reunir para discutir os principais desafios impostos pela MPS. O webinário “Guia de Manejo – O que vem depois do diagnóstico?” contará com a participação da Dra. Carolina Fischinger (Geneticista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre); Miguel Duarte Ferreira (Diretor Executivo e Sócio Fundador da LatM – Life Sciences Consultants); Antoine Daher (Presidente da Casa Hunter e da Febrararas); e a moderadora Ariadne Guimarães Dias (Relações Institucionais da Casa Hunter).

Já no dia 14, também às 18h30, será realizado o webinário “Pesquisas Clínicas no Brasil – Conheça os estudos em desenvolvimento para MPS” para discutir os estudos que estão em desenvolvimento sobre as MPS no Brasil e quais são as expectativas para o tratamento das doenças.

Essa mesa redonda receberá o Dr. Roberto Giugliani (Médico Geneticista da UFRGS e Consultor da OMS); Dra. Ana Maria Martins (Geneticista e Coordenadora do Centro de Referência em Erros Inatos do Metabolismo); Claudiosvam Martins Alves de Sousa (Coordenador de Pesquisa Clínica de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa); Dr. Jorge Venâncio (Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa); Antoine Daher (Presidente da Casa Hunter e da Febrararas) e a moderadora Regina Sider (Diretora Científica da Intrials Clinical Research).

Por fim, no dia 15, ainda às 18h30, a Dra. Dafne Horovitz (Coordenadora Clínica do Departamento de Genética Médica e Serviço de Referência em Doenças Raras da Fiocruz), fará uma palestra sobre a MPS, também no canal do YouTube.

Uma outra ação para a divulgação da patologia é a divulgação da campanha de conscientização da MPS nos pontos de ônibus da cidade de São Paulo, em parceria com a “Otima”, empresa de mobiliário urbano que cedeu gratuitamente os espaços.

A MPS Week conta com o patrocínio das empresas JCR do Brasil, Takeda, Biomarin, Regenxbio, Sigilon Therapeutics e Ultragenyx. O evento tem ainda o apoio da Federação Brasileira das Associações de Doenças Raras, a Febrararas.

Sobre a Casa Hunter – A Casa Hunter é uma instituição focada no apoio aos pacientes com doenças raras e seus familiares. Homens, mulheres e crianças lutam por direitos básicos, como o diagnóstico preciso e o acesso a tratamento. Nesta luta que atinge, só no Brasil, 13 milhões de pessoas, a instituição fundada em 2013 presta todo tipo de apoio – acesso a especialistas, aparelhos e exames para os que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Há dois anos, a Casa Hunter foi eleita para o NGO Branch, o braço das Nações Unidas para as organizações do Terceiro Setor. Saiba mais: https://casahunter.org.br/

Facebook – https://www.facebook.com/CasaHunterBrasil/
Twitter – https://twitter.com/CasaHunterBR
Instagram – https://www.instagram.com/casa_hunter_oficial
Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCo01hp8QRe0GUD1hlI0FgwQ
Linkedin – https://www.linkedin.com/company/24477404/admin/

Continue Reading

Fique por dentro

Produção de Cinema e COVID: Médica e especialista em biossegurança de sets de filmagem fala sobre os protocolos. 

Published

on

“O cinema e a publicidade não pararam e nem podem parar”, afirma médica especialista em protocolos de segurança contra a covid-19 em produções audiovisuais A médica, professora e influencer Alicya Scavello presta consultoria sobre biossegurança para produtoras e afirma que a Covid-19 impôs rotina de cuidados que deverá continuar mesmo após a pandemia A indústria do audiovisual, que não parou durante a pandemia, teve que se adaptar ao “novo normal”.  Inicialmente, diversas gravações ao redor do mundo foram paralisadas com a pandemia do novo coronavírus, entretanto, após um longo período de pandemia, as produtoras se viram obrigadas a retomar os trabalhos. Isso ocorreu nas gravações de novelas, filmes, séries e nas campanhas publicitárias, afinal, nunca se passou tanto tempo em casa e ,consequentemente, em frente às telas, o que gerou crescimento da demanda para estes produtos. “O cinema e toda a indústria audiovisual apresentaram um ‘Boom’ durante a pandemia, com todos em casa a demanda por consumo visual cresceu bastante, desta forma a indústria teve que se adequar à nova realidade, ao ‘novo normal’.

O que mudou foram os processos e cuidados durante as filmagens, que se tornaram mais rígidos, seguindo um protocolo”, afirma a médica Alicya Scavello, que oferece consultoria sobre protocolos de segurança contra a Covid-19 para estaindústria. Ela já trabalhou em produções da Netflix, de grandes marcas como PicPay, O Boticário e de artistas como Ana Vitória e Manu Gavassi. Alicya entrou neste segmento por ser, além de médica, escritora e ter formação artística pela Casa de Artes e Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Sem contar os motivos pessoais: ela perdeu 4 familiares para a doença e seu pai ficou internado em estado grave por 15 dias. ”Tudo isso só me fez ter mais atenção e comprometimento com a biossegurança de todo o ambiente de trabalho”, afirma e influencer.

Desde que a pandemia começou,  ela vive intensamente e diariamente aCovid-19, como médica e como familiar de pacientes. O elenco e todo o staff precisam realizar testes periódicos, todo material deve ser higienizado, atores que precisam ficar sem máscara por motivos artísticos devem permanecer em áreas delimitadas no SET de filmagem, bem como é feito o mapeamento de áreas de risco nas zonas de filmagem, conforme o risco de contaminação. As máscaras podem ser retiradas apenas para tomar água e realizar refeições, o que deve ser feito em ambiente destinado a este fim, com distanciamento dos demais integrantes da equipe em locais e horários previamente estabelecidos. A maquiagem é feita de forma individualizada com utensílios separados para cada ator. Estas são algumas das diretrizes estabelecidas pelos sindicatos e entidades ligadas à categoria. No entanto, segundo Alicya, o monitoramento tem que ser constante. “Aqui o próprios indicato do cinema e as autoridades de saúde desenvolveram um protocolo de segurança que tem sido executado pelas produtoras mais sérias, como este vírus é novo, estamos aprendendo a lidar com ele diariamente, por isso os cuidados são constantes”, explica. Ela ajuda as equipes a aplicarem corretamente as regras, a realizarem as testagens e a preencherem os formulários requisitados aos profissionais antes dos trabalhos, nos quais devem constar informações cruciais, como se já tiveram contato com casos suspeitos ou confirmados da doença. O trabalho é extenso e acontece antes, durante e após cada produção.“Começa já nos encontros para a prova de figurino e na escolha dos locais de filmagem”, explica Alicya. Ela acredita que o cuidado mais básico que veio para ficar é a higienização das mãos. A lavagem constante com água e sabão e o uso de álcool em gel estão entre as mudanças que devem ser incorporadas à rotina do Brasil…

Continue Reading

Fique por dentro

Por que a morte de famosos mexe tanto com a gente?

Published

on

O Dr. Junior Silva, Psicanalista e especialista nesse assunto, conta como superar o luto e o que podemos aprender nessa fase

Estamos vivendo um momento ático em nossas vidas. Por conta da COVID-19 algumas pessoas estão perdendo amigos e familiares, é quase impossível não conhecer alguém que tem uma história para contar sobre essa doença. Na noite da última terça-feira, 4 de maio, o ator e humorista Paulo Gustavo, faleceu, aos 42 anos, vítima de Covid-19. Muitas pessoas, mesmo sem conhecê-lo pessoalmente, ficaram emocionadas e sofreram com a morte dele. Nas redes sociais havia muitas homenagens e mensagens, realmente houve uma comoção nacional.

Conversamos com o Dr. Junior Silva, Psicanalista, Hipnólogo e Coach, para entender mais o motivo pelo qual a morte de celebridades mexe tanto com as pessoas. Ele também explicou mais sobre o luto e deu algumas dicas valiosas de como passar por esse período.

– O que é o luto?

Dr. Junior Silva: O luto é um conjunto de sentimentos de uma perda significativa, que pode ser gerada por uma morte ou qualquer situação que temos a certeza é irreversível, ou seja, não temos mais o que fazer ou viver com aquela pessoa ou situação.

– Por que o luto é importante?

Dr. Junior Silva: Viver o luto é organizar nossos sentimentos, é encerrar uma etapa da vida e recomeçar com outra que não podemos mudar. Quando reprimimos corremos o risco de trazer consequências emocionais lá na frente, pois o que não é resolvido um dia nossa mente vai cobrar.

Eu atendo uma paciente dos Estado Unidos que não conseguiu viver o luto da perda da mãe, houve negação e devido a distância não conseguiu chegar a tempo para se despedir e vivenciar aquele encerramento de ciclo.

Essa negação do luto trouxe consequências físicas nela, ou seja, tinha dores psicossomáticas que tinham raiz emocional, onde a maioria dos sintomas era o que a mãe tinha na luta pelo câncer. Quando ela vivenciou o luto e se reconciliou com seus sentimentos e a perda, suas dores desapareceram.

– Por que a morte de pessoas famosas mexe com a gente? Por que ficamos tristes e abalados com a perda de uma pessoa que não conhecemos pessoalmente?

Dr. Junior Silva: Quando perdemos um familiar, perdemos alguém que gerou diferentes sentimentos, como, por exemplo, felicidade, mágoas, tristezas, alegrias. É um conjunto de sentimentos e ações que fomos convivendo ao longo da vida. O que não acontece quando perdemos uma celebridade.

A celebridade nos inspira, nos transmite alegria, fé e momentos divertidos. Ao perder uma pessoa famosa que admiramos, perdemos alguém que fala o que não falamos, faz o que não conseguimos, devolve o riso, a inspiração, devolve a esperança que não vemos em nós.

O Paulo Gustavo foi um pessoal incrível e um profissional maravilhoso. Ele transmitia fé e esperança não só nos seus papéis, mas também na sua essência. Nunca estamos preparados para as perdas, e principalmente a morte de pessoas nos inspira a ser melhor, nos diverte e nos dá esperança de uma vida melhor e mais leve.

– Por que não estamos preparados para a morte?

Dr. Junior Silva: Porque não fomos ensinados a perder, não gostamos da perda e muito cultural.

Por exemplo, um país pequeno chamado Butão é considerado o país mais feliz do mundo e como eles lidam com a morte? Eles não veem a morte como fim, mas como uma passagem para uma nova vida onde a pessoa tem o direito de viver o novo. Eles fazem algumas reuniões pós morte para relembrar o legado, o bom que esta pessoa construiu, tendo consciência que se fez o melhor sem dívida um com outro.

– Como podemos passar pelo luto com mais facilidade?

Dr. Junior Silva: A dificuldade de viver o luto acontece muito quando nos sentimos em dívida com quem nos deixou. Por exemplo, não fiz isso, não disse aquilo e agora não posso mais. Vivenciar com mais facilidade é reconhecer o quanto foi importante o outro em nossa vida e que tudo que vivenciamos de positivo ou negativo se tornará daqui para frente um legado de vida e não de destruição.

Dependendo das dívidas que temos e como lidamos, precisamos às vezes de um auxílio profissional.

– O que podemos aprender com o luto?

Podemos aprender com luto que tudo tem o fim e que precisamos vivenciar o hoje como se fosse o último dia! O luto bem vivido nos traz o reconhecimento da importância e o que outro deixou de especial, pois o que perdemos pode não estar mais presente no dia a dia, mas estará no coração para o resto da vida.

“Uma coisa muito importante, o luto não é o fim, mas o começo de um novo tempo de alguém ou de algo que nos ajudou a ser o que somos hoje! Como Padre Marcelo Rossi sempre diz: Saudade sim, tristeza não”, concluí Dr. Junior.

Continue Reading

Destaque

Copyright © 2021 ocimar.com. Todos os direitos reservados.